Notícias

Instrutor e CFC

Dia do Instrutor de Trânsito: o profissional que deve ser o exemplo a ser seguido 

Dia do Instrutor de Trânsito: o profissional que deve ser o exemplo a ser seguido
Foto: Pixabay.com

Quando alguém decide atuar na área, deve fazer não porque “não deu certo” em outras, mas sim porque tem paixão por aquilo que está fazendo. Leia o artigo de Eliane Pietsak.

Foto: Pixabay.com

Há muitas definições para a palavra “Instrutor” nos dicionários: pessoa que instrui, aquele que adestra (essa não gosto), responsável por passar conhecimento.

O que os dicionários não mostram é que o Instrutor de CFC é desafiado diariamente a trabalhar conteúdos com pessoas que, regra geral, acham que já sabem tudo o que está sendo apresentado, seja teoria, seja prática.

E ainda, trabalham com conteúdos que, dependendo dos humores dos gestores de trânsito, podem ser alterados sem que eles, linha de frente na formação de condutores, tenham dado a sua opinião. Sem que tenham participado de alguma forma dessas alterações. Ficamos apenas como peões em um jogo de xadrez.

Independente de todas essas situações que fogem ao nosso controle, precisamos realizar bem o nosso trabalho, com qualidade, competência e responsabilidade.

O Instrutor deve ser aquele profissional que leva tão a sério o seu papel no trânsito que não compactua e não apoia aquele infrator contumaz. O instrutor segue as regras de trânsito, independente de alguém estar vendo ou fiscalizando.

Ele respira trânsito, não só na frente dos alunos.

É claro que, como em qualquer profissão, temos excelentes profissionais, mas temos aqueles que deveriam estar atuando em outras áreas onde seu potencial pudesse ser mais bem aproveitado.

Chegam até nós, com a velocidade de um raio, informações sobre Instrutores envolvidos em acidentes de trânsito por imprudência ou desrespeito à legislação. O destaque dado a situações assim é porque o Instrutor está diretamente envolvido na formação de condutores ou na capacitação de pessoas que irão atuar na área de trânsito.

O que não se pode aceitar de profissionais que estão preparando pessoas para serem cidadãos melhores, mais conscientes, é que justifiquem seu comportamento ou suas atitudes com falas como: os alunos não tem interesse, a legislação muda muito, não tem tenho tempo de me atualizar. Ou ainda pior: a legislação é falha, não devia ser proibido fazer isso ou aquilo…

Essas atitudes são inaceitáveis para profissionais da área de trânsito. Discordar de algo é saudável. Mas, não podemos desrespeitar a legislação nos utilizando de justificativas vazias.

Precisamos ter consciência de que preparamos pessoas para conviver em um ambiente social, e que exercemos um papel social de grande importância. O trânsito é feito de pessoas, caso alguém tenha esquecido, e precisa, cada vez mais de empatia, de uma visão mais humanizada.

Enxergar que à nossa frente, ao nosso lado e atrás de nós, dentro de um veículo ou a pé, estão pessoas, assim como nós e devemos respeitá-las, assim como queremos que nos respeitem. E o mais importante, que estejam seguras e protegidas e, no que depender de nós, estarão.

Essa não é uma tarefa fácil, mas, se fosse fácil, qualquer um faria. Por isso, quando alguém se decide por atuar na área, deve fazer não porque “não deu certo” em outras, mas sim porque tem paixão por aquilo que está fazendo. Porque sabe que tem a responsabilidade de preparar pessoas que, a depender de seu empenho e dedicação, serão pedestres e condutores melhores.

No dia dedicado a comemorar o Dia do Instrutor de Trânsito, o nosso respeito e cumprimentos a todos aqueles que fazem a diferença no trânsito e na vida dos seus alunos e que, um dia, possamos participar mais ativamente das decisões do trânsito Brasil!

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *