Trending News

Notícias

Agente de Trânsito

Adicional de periculosidade a agentes de trânsito é rejeitado pela CAE 

Adicional de periculosidade a agentes de trânsito é rejeitado pela CAE
O autor da proposta, deputado Décio Lima (PT-SC), defende que os agentes de trânsito se submetem a situações de constante perigo, o que lhes garantiria o direito ao adicional de periculosidade. Foto: Arquivo Tecnodata.
Adicional de periculosidade
O autor da proposta, deputado Décio Lima (PT-SC), defende que os agentes de trânsito se submetem a situações de constante perigo, o que lhes garantiria o direito ao adicional de periculosidade. Foto: Arquivo Tecnodata.

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) rejeitou o voto favorável do relator Romero Jucá (MDB-RR) ao PLC 180/2017, que inclui a fiscalização de trânsito e o controle de tráfego entre as atividades consideradas perigosas por lei.

O autor da proposta, deputado Décio Lima (PT-SC), defende que os agentes de trânsito se submetem a situações de constante perigo, o que lhes garantiria o direito ao adicional de periculosidade.

Apesar de estarem de acordo com o mérito do projeto, alguns senadores da CAE alegaram que a proposta vai de encontro à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Eles lembraram que, na prática, a iniciativa vai gerar um adicional de periculosidade de 30% sobre o salário-base.

— No mérito, não há quem possa se opor à iniciativa. Mas é uma proposta que fere de morte a Lei de Responsabilidade Fiscal, pois estaríamos criando despesas para municípios e estados sem indicar as respectivas receitas. É como se não estivéssemos à beira do abismo. Sendo essa comissão a que tem o papel e o dever de analisar aspectos fiscais e econômicos dos projetos, manifesto meu voto contrário — afirmou Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que teve o apoio dos senadores Raimundo Lira (MDB-PB) e Armando Monteiro (PTB-PE).

Oposição

O relator votou a favor da iniciativa, sem apresentar alterações. Segundo Romero Jucá, os custos serão diluídos entre União, estados e municípios. Além disso, o aumento nos salários pela incorporação do adicional de periculosidade poderá atrair novos e mais qualificados profissionais para o setor.

— Trata-se de uma atividade que tem perigos, sim, independentemente do momento econômico em que vivemos. Ninguém vai deixar de ser morto porque a situação econômica do país está difícil. O risco existe para o PM, para o policial rodoviário e também para o agente de trânsito, que faz a abordagem e pode levar um tiro na cara. Por isso continuo defendendo meu parecer — afirmou.

O PLC 180/2017 ainda vai passar pelas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e de Assuntos Sociais (CAS).

As informações são da Agência Senado

Notícias Relacionadas

1 Comentário

  1. Hermes Dagoberto

    Gostei do conteúdo da divulgação, creio que pode ser útil para meu negócio. Seria bom manter uma forma de contato para acompanhar novas informações.
    Acesse tambem nosso site para contatos.
    saudações.

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *