Trending News

Notícias

Mobilidade

Comissão no Senado debate melhorias na mobilidade urbana 

Comissão no Senado debate melhorias na mobilidade urbana
Lei da Mobilidade
Deputados federais e senadores apresentaram 46 emendas à MP, ampliando ainda mais o leque de modificações originalmente previstas para a Lei da Mobilidade. Foto: Arquivo Tecnodata.

A comissão mista que examina a Medida Provisória (MP) 906/2019 realizou na terça-feira (10) sua primeira audiência pública, em que foram ouvidos representantes de diversos setores. Essa medida provisória prorrogou de abril de 2019 para 12 de abril de 2021 o prazo dos municípios para a elaboração de seus planos de mobilidade urbana, previstos na Lei da Mobilidade (Lei 12.587/2012).

Deputados federais e senadores apresentaram 46 emendas à MP, ampliando ainda mais o leque de modificações originalmente previstas para a Lei da Mobilidade.

César Mattos, secretário de Concorrência e Competitividade do Ministério da Economia, afirmou que o setor tem se modernizado, apesar de haver exclusividade em algumas linhas, o que prejudica a concorrência e o consumidor. Ele avalia que a supressão da concorrência em trechos superavitários, que poderiam sustentar os trechos deficitários, é um grande problema.

Por sua vez, Silas Cardoso, da Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec), afirmou que o surgimento das empresas de entrega e de transporte de passageiros por aplicativo causou uma grande modificação no mercado ao oferecer um serviço de qualidade por um preço adequado ao consumidor.

— O futuro da mobilidade nas cidades é a fusão dos diversos meios de transporte por meio da tecnologia. A junção dos aplicativos com o transporte permitiu aumentar a concorrência e melhorar o serviço aos consumidores — disse Silas.

Emendas

O deputado Vilson da Fetaemg (PSB-MG) criticou o monopólio das empresas de ônibus. Ele também defendeu uma emenda apresentada pela deputada Rosana Valle (PSB-SP), que dá prioridade ao modal metro-ferroviário nos projetos de mobilidade.

— Os governos foram sucessivamente abandonando o modal metro-ferroviário, que é o mais correto e é utilizado em vários países. Não é possível discutir planos de mobilidade pensando exclusivamente em ônibus e transporte rodoviário. O governo federal e os governos estaduais têm de rever os contratos que permitiram o abandono do transporte de passageiros ferroviários.

O relator da medida provisória, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), que apresentou 12 emendas, informou que deseja apresentar seu relatório à comissão no dia 17 de março. Segundo Gurgacz, apesar de o texto da MP ser curto, é possível debater a questão da mobilidade em todos os seus aspectos.

— Nós vamos incorporar o que for importante para melhorar a mobilidade urbana. Vamos fazer um esforço para incorporar questões relacionadas a metrô e ferrovias. Temos no Brasil e no mundo inteiro um excesso de veículos, que dificultam o trânsito nas cidades — declarou.

Gurgacz também defendeu, durante a audiência, a adoção do ônibus de piso baixo como padrão em todo o país.

— Sei que há limitações em algumas cidades e no campo, mas isso representaria uma melhoria inegável em nosso transporte — argumentou.

Também participou do debate, entre outros, Otávio Vieira da Cunha Filho, presidente da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU).

As informações são da Agência Senado

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *