Notícias

Bicicleta

Conheça os melhores destinos para pedalar em viagens 

Conheça os melhores destinos para pedalar em viagens

Para pedalar em viagens

Pedalar tem se tornado uma prática frequente no Recife. Mas o desafio de incluir a bicicleta entre os principais meios de transporte oferecendo uma infraestrutura eficiente não é só uma preocupação da capital pernambucana. Em outras cidades do Brasil e por todo mundo, programas de aluguéis de bikes estão sendo criados ou melhorados e vias ciclísticas estão sendo ampliadas.

E para os amantes do cicloturismo ou aqueles que pretendem utilizar a magrela em roteiros turísticos, se informar sobre a estrutura que cada cidade oferece ao ciclistas evita surpresas durante a viagem. Em alguns países, estacionar a bike em local proibido é motivo para multa, por exemplo. Confira as cidades amigáveis ao uso da bike de acordo com o ranking de 2013 da Copenhagenize e com o estudo realizado pelo Portal Mobilize.

Amsterdã, Holanda

“Este é o único lugar no planeta onde o fator medo associado ao ciclismo é inexistente”, afirma o estudo da Copenhagenize. A cidade é definida como a mais agradável e segura para o transporte sobre duas rodas. Lá a bike é considerada como o principal meio de transporte para mais da metade da população. As ruas são adaptadas para o tráfego sobre duas rodas e contam com ciclofaixas, ciclovias, sinais de trânsito, posto de aluguel, estacionamentos e guardas. A falha fica por conta das condições do ciclismo e da saturação de bicicletas na região central da cidade.

Copenhague, Dinamarca

A capital dinamarquesa é considerada a segunda do ranking The Copenhagenize. Metade da população faz uso da bicicleta como principal meio de transporte. Ela também é considerada a cidade mais bem projetada quando se trata de rede de infraestrutura para bicicleta. Projetos neste sentido são constantes, em especial à integração entre as bikes e outros modais. Entre os problemas está o aumento de estacionamentos para carros à custa do ciclismo.

Utrech, Holanda

A quarta maior cidade do país também está entre os melhores destinos para os ciclistas. Cerca de 340 mil moradores aproveitam a estrutura para o ciclismo, somando cerca de 30% dos deslocamentos diários feitos. O nível da infraestrutura coloca a cidade entre os locais indispensáveis no mapa de cultura da bicicleta.

Sevilha, Espanha

Em 2006 a cidade tinha uma cota modal de 0,5%. Hoje as magrelas da cidade possuem 7% de participação modal. Seu sistema de compartilhamento de bicicletas desempenhou papel central nessa evolução. Classificada como “garoto-propaganda do planejamento do moderno movimento em prol das bicicletas” Sevilha conseguiu construir em um ano 80km de infraestrutura para bicicletas. “Investimento e visão” são essenciais para a cidade continuar entre as cidades amigáveis ao uso da bicicleta.

Bordeaux, França

São mais de 200 km de vias na região central da cidade e mais de 400 km na periferia. Nos últimos anos o investimento tem sido mais em ciclofaixas e ciclovias. O sistema de partilha de bicicletas implantado é o grande sucesso e atualmente representa 10% dos modais.

Nantes, França

A cidade já teve aumento de quase 400km na infraestrutura cicloviária, investimento que vem desde 2009. Até este ano, 40 milhões de euros serão gastos neste sentido. Segundo o estudo, Nantes está disposta a permanecer no ranking entre as cidades amigas das bicicletas. Um sistema de partilha de magrelas e subsídios para a compra de bicicletas de carga também impulsionam o ranking. A cidade também eleita como a capital verde da Europa ainda vai sediar a Velo-City Bicycle Conference em 2015.

Antuérpia, Bélgica

A cidade tem mantido um nível constante de tráfego de bicicletas com uma cota modal de 16%. A modernização tem sido a grande aliada na aposta da bike como  meio de transporte principal. Entre os principais destaques está a instalação de um estacionamento de bicicletas na estação Central de trem. A cidade também introduziu um sistema de partilha de bikes e segundo o Copenhagenize, ele é uma inspiração para cidades de médio porte que procuram melhorar as condições para os usuários de bicicletas.

Berlim, Alemanha

A maior cidade da Alemanha é a oitava melhor do mundo para andar de bicicleta. Por ser plana, se torna mais fácil para trafegar. A cota modal representa 13%, mas em alguns bairros chega a marcar 25%. Lá a infraestrutura para as bicicletas contribui positivamente para incentivar os cidadãos a andar sobre duas rodas.

Dublin, Irlanda

Com um programa público de aluguel de bikes mais bem sucedidos da Europa, desde 2010 a cidade registra a marca de 2,5 milhões de locações. Pelo menos 10% da população usa o transporte como principal meio para se descolar. A cota modal já atinge 7,5.

Tóquio, Japão

Este é o exemplo que megacidades podem incluir o transporte sobre duas rodas entre os meios de locomoção mais utilizados. Inovação na construção de estacionamentos para magrelas, no subterrâneo de uma das estação de metrô 9 mil vagas são reservadas para bikes. Por conta da infraestrutura bem sucedida e leis rígidas, quem estaciona em local proibido leva multa. Segundo o Copenhagenize, o transporte público anda de mãos dadas com o tráfego de bicicletas.

Munique, Alemanha

Na cidade o ciclismo representam 20% dos deslocamentos diários. Com 1,2 mil quilômetros de ciclovias e ciclofaixas, Munique continua a investir em campanhas públicas e garante fiscalização rigorosa para que as leis relacionadas ao convívio entre os ciclistas e os pedestres sejam cumpridas. Aqueles que desrespeitam levam multa.

Montreal, Canadá

Com ciclovias desde os anos 80, a cidade foi a primeira da América do norte a implantar um sistema público de aluguel de bike. Lá a prática do ciclismo continua em alta. Na hora do rush as ciclovias bidirecionais estão lotadas e existem mais de 400 estações espalhadas pela cidade que comportam mais de cinco mil bikes.

Barcelona, Espanha

Com programa de bike lançado em 2007, as magrelas representam 4%dos deslocamentos diários. Espalhados na cidades pelas ruas e em garagens subterrâneas estão mais de 3 mil vagas de estacionamento para bikes que podem circular por toda região metropolitana pelo anel verde.

Paris, França

A segunda megacidade da lista teve o programa de aluguel de bikes adotado em 2007 e saiu na frente de Nova York e Londres. Atualmente alcança a marca de 300km de vias expressas para o tráfego de bicicletas e a marca da cidade são os passeios noturnos que faz parte da diversão popular. Outra característica que garante o sucesso do sistema implantado em Paris é o programa de partilha de bikes que foi adotado pela população.

No Brasil

Rio de Janeiro

Ainda na lista da Copenhagenize o Rio é a única cidade brasileira que aparece no ranking. Já na pesquisa realizada pelo Portal Mobilize, ela possui a melhor malha cicloviária. Desde 1992 com ciclovias, as faixas estão sendo ampliadas e expandidas para outras praias além de Copacabana. Com a atenção do mundo voltada para ela com dois grandes eventos futuros – Olimpíadas e a Copa do Mundo –, a rede ainda foi considerada modesta. A pretensão é aumentar de 300km para 450km até 2016. O trânsito é apontado como alguns riscos para o ciclista carioca, tendo em vista que o limite da velocidade nas orlas ainda é de 70 km/h. “O que a cidade faz agora, na preparação para os Jogos Olímpicos e a Copa do Mundo, vai determinar o futuro da mobilidade na cidade”, determina o estudo.

Curitiba

Entre as cidades amigáveis ao uso da bicicleta apontadas no levantamento do Portal Mobilize, Curitiba aparece em segundo lugar com 127km de ciclovias. Com uma rede datada de 1977, a capital paraense tem uma malha cicloviária de 2,7% em relação a malha viária total que vem crescendo ao longo dos anos. O objetivo é atingir 400km de malha cicloviária. Na cidade entrou em vigor o projeto Ciclolazer com ciclofaixas temporárias aos domingos.

Florianópolis

Terceira colocada na pesquisa, a cidade possui 37km de vias ciclísticas. As estradas adaptadas para as bikes representam 2,02% do sistema viário que conta com 1.809km. As duas maiores ciclovias da cidade possuem 9,4km de extensão, na Avenida Beira Mar, e 4,4km, na Via Expressa Sul.

Campo Grande

Com 79km de ciclovias, a capital do Mato Grosso do Sul tem apenas 1,99% de suas vias adaptadas para o ciclismo. Uma dificuldade encontrada para quem opta por andar de bicicleta é a falta de estacionamentos. Apesar da pretensão de ampliar as vias ciclísticas, a ausência de bicicletários é vista como um transtorno pela população.

Fortaleza

Com uma malha viária totalizando 3.877k, a cidade tem 1,81% de pistas para os ciclistas. As ciclovias possuem 70km e até 2016, está prevista a construção de mais 41 quilômetros de ciclovias. As reclamações na capital cearense são a infraestrutura e a falta de manutenção nestas vias que dificultam o passeio nos locais reservados.

Fonte: Diário de Pernambuco

Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Politica de Privacidade.

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']