Notícias

Notícias

Mais de 16 mil pedestres morreram no trânsito no ano passado 

Mais de 16 mil pedestres morreram no trânsito no ano passado

Pedestres na faixaA preferência de quem está a pé atravessando a faixa de pedestre foi instituída no Brasil em 1966 pelo Código Nacional de Trânsito. Mas a ideia de um local seguro para as pessoas cruzarem as ruas é bem mais antiga.

A primeira faixa de pedestre surgiu em Pompéia, cidade romana, há mais de dois mil anos. Mas não era bem uma faixa. Blocos de concreto foram erguidos no chão para facilitar a passagem entre uma calçada e outra e para que as pessoas não precisassem pisar na estrada.

Em 1868, em Londres, na Inglaterra, foi criado um tipo de semáforo para dar prioridade aos pedestres. Também, em Londres, surgiu a faixa no modelo conhecido atualmente, com listras brancas pintadas na rua.

No Brasil, a primeira unidade da federação a cobrar o respeito à passagem de pedestres foi o Distrito Federal, em 1997, com a entrada em vigor do novo Código Brasileiro de Trânsito. Hoje, a região possui cerca de cinco mil faixas.

De acordo com o especialista em trânsito Luiz Miúra, que fez parte da equipe que instituiu a medida no DF, a principal vantagem é a redução do número de acidentes. “O que deu visibilidade foi o respeito ao pedestre. No entanto, o maior resultado foi a redução do número de mortes. Em quatro anos, a redução foi de 50%, poucas comunidades conseguiram isso.”

Os moradores de Brasília conquistaram a fama de respeito à faixa. Mas será que os pedestres concordam?

De 1997 a 2014, o número de pedestres mortos na faixa no Distrito Federal caiu de 202 para 123.

Mas dados do Seguro DPVAT revelam que o número de vítimas fatais em todo o país ainda é alto. Só em em 2014, mais de 16.200 pedestres morreram em acidentes de trânsito.

Deixar de dar preferência à pessoa que está na faixa é infração gravíssima. A multa é de R$ 191,54 e sete pontos na carteira.

Mas a responsabilidade não é só dos motoristas. As pessoas que estão caminhando na rua também têm obrigações, como olhar para os dois lados antes de atravessar e esperar que o veículo pare.

Para o professor de engenharia de tráfego da Universidade de Brasília Paulo César Marques, faltam políticas públicas que garantam a segurança do pedestre. “É preciso garantir o mínimo de condições que assegurem a elas questões de segurança, a todos os usuários, principalmente os pedestres. Então, essas soluções, como construção de passarelas, a educação das pessoas para buscar os locais seguros de travessia, é um trabalho necessário.”

Em Curitiba, capital paranaense, uma iniciativa serve de exemplo para o restante do país. Lá, um aparelho que fica junto aos semáforos, quando acionado, aumenta de 12 para 18 segundos o tempo do sinal verde para os pedestres, o que deixa a travessia mais segura, especialmente para pessoas com dificuldades de locomoção.

Com informações da Agência Brasil

Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *