Notícias

Moto

Número de motos em SP vai bater 1 milhão em fevereiro 

Número de motos em SP vai bater 1 milhão em fevereiro

Número de motos em São Paulo

No mês de fevereiro, a quantidade de motocicletas emplacadas na capital paulista deve bater a marca simbólica de 1 milhão de veículos. A projeção, tabulada pelo Estado, leva em conta a média de 2.760 motos novas colocadas em circulação a cada mês em 2013 – até outubro, havia na cidade 990 mil desses veículos registrados no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-SP), 28 mil dos quais nos dez primeiros meses do ano.

A uma taxa anual de 3,6%, o número de motos cresce, em média, quase o dobro do que o de carros, que, entre 2011 e 2012, variou 1,9%, alcançando o patamar de 5,3 milhões de automóveis emplacados.

Em ritmo de expansão, a categoria das motocicletas só perde para a das caminhonetes, que subiu 5,7% nos últimos dois anos, segundo o Detran-SP. Apesar disso, são restritas as políticas públicas voltadas à segurança do deslocamento das motos, que são o segundo tipo de veículo individual mais usado na cidade.

Em 2013, a medida mais visível colocada em prática pela Prefeitura foi a criação de 103 bolsões para as motos pararem na frente dos carros enquanto aguardam o semáforo abrir. Instalado em grandes cruzamentos, como o das Avenidas Rebouças e Brasil, na zona oeste, o mecanismo “tem por objetivo melhorar a segurança de motociclistas e ciclistas em trânsito”, informou a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

Para os motoboys, isso não é suficiente. “Não vejo política pública avançada para a motocicleta. O que a Prefeitura faz são coisas tímidas”, diz Gilberto Almeida dos Santos, presidente do Sindicato dos Motoboys (Sindimoto). Para ele, a gestão Fernando Haddad (PT) deveria fazer mais motofaixas em vez de desfazer as existentes, como a da Avenida Sumaré, desativada em novembro para a criação de uma faixa de ônibus.

Acidentes

A Prefeitura informou que a ação foi tomada porque a motofaixa não reduziu os acidentes com motos e, sim, os aumentou em 152% entre 2006, quando foi implementada, e 2012. “Mas a maioria dos motoboys aprova e usa as faixas só de motos”, diz Santos. A única motofaixa hoje é a da Rua Vergueiro. O Sindimoto pede a criação de mais desses dispositivos.

Também pensa assim Fernando Aparecido de Souza, presidente do Sindicato das Empresas de Transporte e Entregas Rápidas do Estado de São Paulo (Sedesp). “Essas faixas de retenção ajudaram bastante, mas é preciso ter mais motofaixas.”

Segundo ele, a maioria das novas motos emplacadas pertence a quem não trabalha diretamente com as motos, mas as usa para deslocamento. “A moto ser mais barata e rápida que o carro, o trânsito estar caótico e o transporte público ainda superlotado explicam a opção por esse tipo de veículo”, diz Souza.

Os motofretistas criticam ainda o estreitamento das faixas em avenidas como a 23 de Maio, após a criação das faixas exclusivas para ônibus. “Assim, fica inviável para o motociclista circular no corredor entre as faixas”, afirma Santos. Para Flamínio Fichmann, urbanista e consultor em Engenharia de Tráfego, o poder público deveria vetar a circulação de motos por esses corredores. Em 2012, 438 pessoas morreram em acidentes com motos na cidade.

Com informações da Agência Estado

Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']