• Tecnodata Reciclagem CNH

Notícias

Notícias

Teclar ao volante aumenta em quatro vezes o risco de acidente 

Teclar ao volante aumenta em quatro vezes o risco de acidente

Teclar ao volanteA distração ao volante é uma das principais causas de acidentes de trânsito no Brasil, porém o uso do celular e toda a sua tecnologia só aumenta. Apesar de não ser uma infração fácil de ser flagrada, ela já é a segunda mais cometida em diversos estados brasileiros. “Acredito que seja a primeira, pois se você parar no semáforo e olhar para os lados, de cinco carros que estejam perto de você, pelo menos em três os motoristas estão usando o celular, seja para falar ou para teclar”, admite Elaine Sizilo, pedagoga, especialista em trânsito. Conforme estatísticas, no Brasil, de cada dez mil pessoas que usam o celular enquanto dirigem apenas uma é flagrada.

Segundo estudos, dirigir falando ao celular equivale a dirigir depois de ter tomado quatro copos de cerveja. Conversar no celular quando ao volante reduz a concentração de um motorista em até 37%, levando-o a cometer tipos de erros semelhantes aos ocorridos quando se dirige embriagado. “No trânsito, um momento de distração pode ser fatal. Ao tirar os olhos e a concentração do trânsito, o motorista está colocando a sua vida e a dos demais em risco”, explica Sizilo.

Distância percorrida

De acordo com testes realizados com motoristas, ao desviar a visão do trânsito para desbloquear o celular por cinco segundos, estando a 50 km/h, o carro percorrerá cerca de 69m às cegas.

Ao fazer uma ligação, o condutor desvia a atenção por oito segundos, estando o veículo a 80 km/h, serão 177,7m percorridos às cegas.

Já escrever uma mensagem pode tirar a atenção do motorista por 24 segundos, se ele estiver a 70 km/h, serão 388m (equivalente a três campos de futebol) dirigindo sem saber o que está fazendo.

Em uma pesquisa realizada pelo Portal do Trânsito com 121 motoristas, mesmo sabendo dos riscos, 51% admitiram que usam o celular no trânsito. Para Dr. David Duarte Lima, professor da Universidade de Brasília (UnB) e doutor em Segurança de Trânsito, o cidadão precisa ser conscientizado. “Aquele que fala ao celular ou envia mensagens enquanto dirige não é um bandido, é uma pessoa comum, um pai de família ou um trabalhador que precisa ser sensibilizado para ter atitudes corretas na direção de um veículo”, conclui.

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *