Notícias

Opinião

Motos sobre caminhonetes 

Motos sobre caminhonetes

Motos em caminhonetes

Muitos proprietários de motocicletas sofrem um dilema quando precisam transportar seus veículos a outras localidades onde as utilizarão para transporte ou lazer.  São pessoas que levam a moto para praia ou campo, ou ainda em viagens em que pretendem utilizá-la ao chegarem ao destino, mas,  não têm condições de deslocar o veículo conduzindo-o.  Aí duas opções vêm logo à mente: adquirir uma carretinha (semi-reboque) para ser tracionada por seu veiculo de uso, ou adquirir uma caminhonete de pequeno ou médio porte, cabine simples, dupla ou estendida, conforme a necessidade.

O problema da escolha surge quando a caçamba da caminhonete não comporta a colocação da motocicleta com a tampa da caçamba fechada e a dúvida se é possível retirar a tampa ou também transitar com ela aberta.  Quanto à retirada da tampa, por si só, não nos remete a nenhuma irregularidade ou infração, considerando que esse fato não deve culminar em outra infração que seria o derramamento de carga, que não seria o caso, salvo se a moto cair…  Aliás, não haveria infração pela retirada de qualquer porta do veículo, visto que não se constitui em equipamento obrigatório, a exemplo de buggys ou jipes.

Quanto ao trânsito com a tampa da caçamba abaixada, várias situações devem ser consideradas.  A primeira é o encobrimento da placa traseira, o que implicaria em infração, pois, ela deve estar visível.  Isso pode ser solucionado com a colocação de um arame de lacre comprido e colocação de suportes ou furos de parafusos para que a placa possa ser deslocada até a parte da carroceria ou da própria tampa que fique visível, sem comprometimento do lacre. Poder-se-ia, ainda, pensar na segunda placa traseira,  a qual também teria que ser lacrada, mas, tal resolução é aplicável especificamente para veículos com engate que prejudique a leitura da placa.

Outra situação a ser considerada é sobre o pára-choque traseiro, que é equipamento obrigatório, e que deixaria de ser o último ponto do veículo, ou o primeiro de impacto pela traseira, que passaria a ser a parte superior da tampa quando baixada. O pára-choque continuaria presente, mas, a fiscalização poderia questionar se o equipamento está eficiente ou operante, pois, o equipamento obrigatório além de presente deve satisfazer essa exigência.  Na verdade, e é a nossa opinião, o equipamento continua eficiente com a diferença que não será o primeiro ponto de impacto pela traseira. Como sabemos que esse entendimento não seria pacífico, pode-se pensar num pára-choque simples a ser adaptado nesse último ponto, assim como ocorreria com a placa, e daí nenhum agente poderia questionar esse detalhe.

Por último restaria o questionamento se estaria ou não havendo excedente da carga nas dimensões do veículo.  Se um carro está com as portas abertas, circulando ou parado (já que mesmo parado ou estacionado é considerado em trânsito), suas dimensões não estão sendo alteradas, e só restaria questionamento se essa situação excedesse as dimensões máximas estabelecidas, que no caso da largura é 2,60m.

Artigos Recomendados Para Você

1 Comentário

  1. william campos

    Boa noite, meu nome é william campos, moro no RJ, eu tenho uma fiat toro e comprei uma moto em São Paulo, porém quando transporto moto no meu carro 1 das portas traseiras acaba ficando aberta, porém a placa fica bem visível normalmente.

    desejo saber se eu corro risco de infrações por este ato.

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']