Notícias

Opinião

No trânsito não há segundas chances 

No trânsito não há segundas chances

Simular deslocamentos sob influência de substâncias psicoativas pode ser efetivo para conscientização, mas no trânsito, não há segundas chances. Leia o post de Rodrigo Vargas.

segundas chances no trânsito
Foto: Divulgação autor

Enquanto acompanhava o grande amigo e colega Marcelo Madruga em uma palestra essa semana, refletia a partir de uma dinâmica que temos realizado com algumas empresas. Nela, montamos um circuito com obstáculos que visam testar o reflexo, equilíbrio e a noção de profundidade do voluntário, enquanto esse utiliza um óculos que simula embriaguez. Ao final do percurso, a pessoa deve acertar uma bolinha dentro de uma lata, exercício no qual, invariavelmente, a grande maioria não têm êxito.

Simular deslocamentos sob influência de substâncias psicoativas pode ser uma atividade interessante (e até mesmo descontraída) para conscientização sobre os riscos envolvidos, quando feita em um ambiente controlado e seguro.

Infelizmente, no entanto, quando se realiza essa prática em via pública, os resultados podem ser desastrosos.

Recentemente, concluímos uma batalha que durou dez anos em uma guerra que parece estar longe de ter fim. Embora tenhamos sido derrotados, perdido mais de 10 milhões de soldados e gerado uma legião de sequelados no mundo inteiro, em 2021 iniciamos uma nova batalha. Uma nova chance para que possamos contra-atacar esse inimigo que não vem de outro país. Além disso, não está camuflado a nos espionar e nem tão pouco conhece sobre táticas de guerras. Mas nós sim as temos. Conhecemos bem esse inimigo, com o qual convivemos diuturnamente. Traçamos metas, planos e estratégias para derrotá-lo. Ainda assim, seguimos perdendo vidas que poderiam ser poupadas. Por pura e simples inação.

Porém, essa inércia não se dá apenas por parte do Estado. É fácil terceirizar a culpa diante de um conflito que parece estar longe de nos afetar. Mas esse é o erro da grande maioria das vítimas dessa guerra: a falsa impressão de que “isso nunca vai acontecer comigo!”.

Nos próximos dez anos teremos uma batalha intensa. Uma batalha que ceifará outros tantos milhões de vidas e deixará ainda muitas sequelas. No entanto, se cada um de nós não nos comprometermos com essa luta e ficarmos esperando apenas pela ação de órgãos governamentais, muito provavelmente ao chegar 2030, amargaremos uma nova derrota.

Sendo assim, comece hoje mesmo a rever suas ações, seus comportamentos e suas responsabilidades. Ainda que essa Segunda Década de Ação para a Segurança no Trânsito nos tenha permitido uma nova oportunidade para buscar um trânsito mais seguro, diferentemente da dinâmica dos óculos, onde o voluntário erra a bolinha na lata, no trânsito não há segundas chances.


Artigos Recomendados Para Você

1 Comentário

  1. Rubens

    É muito complicado dirigir sobre influencia de substâncias nocivas, alem de prejudicar sua vida você poêm em risco a vida do próximo.

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']