Notícias

Opinião

O que vale mais: a vida ou a tradição etílica? 

O que vale mais: a vida ou a tradição etílica?

Beber e dirigir

O Brasil foi surpreendido com a notícia de que na pacata cidade de Pomerode, no Vale do Itajaí, e que até então registrava os menores índices de acidentes e mortes no trânsito em Santa Catarina, as autoridades pressionaram e conseguiram acabar com as blitze noturnas para fiscalizar quem bebe e dirige. O motivo? Muitos frequentadores de Clubes de Caça e Tiro estavam esvaziando os salões de festa regada a cerveja com medo de caírem na fiscalização da Lei Seca.

Isso fez com que alguns presidentes de Clubes de Caça e Tiro da cidade pedissem aos vereadores para que pedissem ao prefeito que proibisse a realização de blitz nos horários de festa porque a lei estava prejudicando a tradição. Qual tradição? A de beber e voltar para casa dirigindo e colocando a si próprio e aos outros em risco em via pública em um país que fabrica, por ano, um exército de mais de 50 mil mortos e cerca de 450 mil sequelados no trânsito?

Não é a primeira vez que a cidade de Pomerode se envolve em polêmicas entre a lei e a tradição. Quem lembra da repercussão nacional da Puxada de Cavalos, em que ativistas da causa animal, a maioria mulheres, foram agredidas com paus, pedras, socos e pontapés por homens que colocavam cavalos para competir puxando toneladas de sacos de areia até a exaustão? Tradição dos antepassados ou maus tratos aos animais conforme os ativistas?

Sabemos que utilizar o celular enquanto dirige é a praga do século, mas acidentes provocados por quem bebe e dirige são manchetes diárias na mídia nacional e tem muito mais visibilidade do que os acidentes provocados por quem dirige mexendo no celular.

E o pior de tudo, para expor à vergonha nacional, é que as blitz noturnas em que eram flagrados os condutores embriagados, muitos que saíam dos Clubes de Caça e Tiro, foram extintas sob a alegação de que as horas extras oneravam a folha de pagamento. O pior de tudo é que tem autoridades na cidade apoiando o fim da fiscalização no trânsito.

Isso é caso de intervenção do Ministério Público! É caso de denúncia aos ativistas humanitários que defendem a causa de um trânsito seguro e seus organismos internacionais, porque não existe causa mais humanitária do que prevenir e evitar mortes e sequelas em um país em que deixa mais vítimas no trânsito do que em guerras.

São os próprios representantes da tradição cultural, da lei e da ordem na cidade que deveriam saber que a tradição germânica não se resume a cerveja, mas também ao idioma, à gastronomia, aos jogos, festas, danças, músicas, corais, esportes e outros legados dos colonizadores. O paladar para cervejas é apenas um aspecto da tradição e não deveria resumir a própria tradição, porque acima das tradições existem leis que devem ser cumpridas, principalmente quando é para proteger a vida.

Num momento em que o Brasil e as cidades de colonização alemã se orgulham tanto da demonstração de elegância, de respeito, de educação e exemplo dos jogadores alemães na passagem pelo nosso país, os descendentes de colonizadores fazem essa patuscada e expõem a si próprios e à todos nós à vergonha de pedir e conseguir licença para beber e dirigir. Afinal, acabaram com a fiscalização após a pressão que fizeram.

Emprestando para este caso as palavras do presidente do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurélio Ramalho, em referência à questão da acidentalidade no trânsito, abre-se uma indústria para fabricar pregos tortos, e depois se abre outra indústria (a de campanhas educativas) para desentortar esses mesmos pregos.

Se não forem capazes de se sensibilizar pelos riscos e pela ameaça das consequências de beber e dirigir, que os governantes, os homens da lei e da tradição na cidade de Pomerode se sensibilizem pela repercussão negativa e vergonhosa em todo o país ao pedido de proibir a fiscalização de trânsito nas proximidades dos Clubes de Caça e Tiro sob a alegação de que prejudica a tradição.

O que prejudica a tradição é supervalorizar a bebida alcoólica diante de toda a riqueza da tradição germânica, feita muito mais de cultura, dança, música, gastronomia e tantos outros atributos do que de cerveja.

O que prejudica a maior tradição de todas, que é o respeito à vida, em um país que gasta uma baba todo ano em campanhas educativas e preventivas para que mais pessoas não continuem morrendo e se matando no trânsito, é querer transformar em tradição o ato de beber e dirigir ao ponto de se pedir a proibição da fiscalização e do cumprimento da lei.

Não era para acontecer o esvaziamento dos clubes de tradições germânicas em Pomerode ou em qualquer outro lugar ou festa no país se os frequentadores que apreciam tanto a bebida alcoólica voltassem para casa de táxi. Não era para se registrar tantas mortes no trânsito se as pessoas não defendessem tanto a bebida e direção. Se não fossem tão comodistas e desrespeitosas consigo mesmas, com os outros, com as leis e com a vida.

O fato é que ter bom paladar para cervejas e outras bebidas pode até ser cultural, mas o que não pode ser cultural é o hábito de beber e dirigir como se não houvesse consequências. De luto por todas as vítimas de condutores alcoolizados e suas famílias.

Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Politica de Privacidade.

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']