Notícias

Opinião

Custos do plebiscito poderiam ser gastos em áreas prioritárias 

Custos do plebiscito poderiam ser gastos em áreas prioritárias

Dinheiro do plebiscito poderia ser gasto na recuperação de estradas

Título original: Os R$ 500 milhões do plebiscito poderiam ser gastos em áreas prioritárias. Ouçam o grito das ruas

Num país onde são constantes os escândalos com desvios de dinheiro público -o mensalão foi o mais sofisticado deles- a exemplo da quadrilha que a Polícia Federal prendeu nesta terça-feira (02/07), num esquema de compra de precatórios judiciais por prefeituras, envolvendo políticos e empresários, em Minas Gerais e no Espírito Santo, e onde se observam inúmeras e constantes carências de prestação de serviços públicos, os R$ 500 milhões previstos como gastos para a realização do plebiscito para a reforma política (boa parte da população desconhece o tema) poderiam ser destinados, em caráter de urgência urgentíssima, atendendo ao grito das ruas, à construção de Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), em diferentes localidades com ausência de assistência médico-hospitalar e também na pavimentação e sinalização de rodovias, muitas em péssimo estado de conservação, uma das principais causas de desgaste de veículos e de graves acidentes.

Façam uma consulta popular e perguntem o que a população desejaria prioritariamente; A reforma política ou a construção de UPAs e a recuperação de estradas? Que a liberação das verbas para tais fins prioritários seja, no entanto, tão rápida quanto as verbas destinadas à construção dos estádios, empregando os profissionais da construção civil agora dispensados pela conclusão de algumas arenas e que os salários de médicos e enfermeiros se tornem mais dignos e atraentes. Ou seja: não adianta ter UPA( bem equipada) sem mão de obra valorizada e motivada.

Quanto a reforma política, também necessária, e enquanto esta não acontece, visando a implantação de um sistema político eleitoral mais coerente e fiscalizável, que se distribua, para alguns políticos (contaminados pela falta de ética) e para os candidatos a cargos públicos, uma CARTILHA SOBRE ÉTICA E DEVERES, onde os principais princípios doutrinários fossem: !) não roubar; 2) não fazer conchavos; 3) não fazer populismo concedendo benefícios aos miseráveis em troca do voto e 4) fim do voto secreto nas votações do legislativo. Pronto, já estaríamos dando o primeiro passo para a uma exemplar reforma política.

Se providências não forem tomadas por políticos e governantes, nas três esferas de competência, o grito das ruas permanecerá. O que é pior: com o direito de ir e vir comprometido, episódios de vandalismo e de grave perturbação da ordem pública. Até Quando?

 

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']