Notícias

Opinião

Para que serve mesmo a seta? 

Para que serve mesmo a seta?

Dia desses presenciei um quase acidente em Blumenau (SC) porque um motorista que puxava a fila resolveu reduzir na subida do morro e fazer a conversão para entrar num lote lindeiro sem dar seta. O motorista que vinha atrás transportando uma idosa, que também vinha bem chutadinho, provavelmente com a justificativa de que é subida de morro e que não dá para subir sem estar no embalo, acabou desviando pela contramão para evitar uma colisão traseira.

Detalhe: subida de morro, sem visibilidade suficiente e eis a pergunta: e se viesse um ônibus, um carro, uma motocicleta trafegando em pista contrária? Certamente, teria provocado um acidente de proporções gravíssimas porque mais um senhor pateta do trânsito que se acha o dono da rua não fez o básico: avisar aos outros motoristas as suas intenções no trânsito.

Basta alguns minutos de observação do que acontece no trânsito da nossa cidade a pé ou atrás do volante para que se tenha a certeza que o art. 196 do Código Brasileiro de Trânsito (CTB) é mesmo um dos mais desrespeitados pelos motoristas que deixam de indicar com antecedência a manobra de parar o veículo, mudar de direção ou de faixa de circulação. Que aliás, é infração grave, 5 pontos negativos na carteira e causa um furo de R$ 127,69 no bolso, além de muito sofrimento às vítimas quando a negligência vira acidente.

Diariamente, no trânsito, pode-se observar que eles deixam de dar seta em praticamente todas as ruas da cidade: as de trânsito rápido, arteriais, coletoras e principalmente vias locais.

Fico pensando o que leva os motoristas que não dão seta a agirem assim, já que a função principal desse equipamento e desse fundamento de segurança no trânsito é manter a comunicação não só com os outros motoristas, mas também com os pedestres e ciclistas.

Muita gente reclama de que trechos específicos viram um caos no horário de pico, mas com certeza o caos seria menor se quem viesse trafegando por um trecho com rótula avisasse com antecedência acionando a chave de seta que vai entrar na próxima rua e não vai cruzar a rótula.

Com certeza, menos motoristas parariam o carro na entrada da rótula e se ganharia mais tempo.

Geralmente quem não dá seta tenta justificar tal egoísmo no trânsito em função da habilidade que pensa que tem, ou que a manobra é tão rápida que nem precisa dar seta. Mas o fato é que temos de rever nossos próprios conceitos sobre trânsito, sobre segurança no trânsito e sobre a importância da comunicação entre as pessoas que estão no trânsito.

Estar encapsulado na carapaça de lata dirigindo aumenta a sensação de isolamento, faz muitas pessoas se desligarem do resto do mundo e se sentirem as donas da rua. Por este motivo que questiono o nome do projeto “Se Essa Rua Fosse Minha” porque quem não dá seta acredita mesmo que a rua é toda dele e faz o que faz, incorporando bem o sentido de “dono da rua”.

Manda a direção defensiva que sinalizemos a manobra de conversão ou de mudança de faixa com, pelo menos, 100 metros de antecedência para aumentar as possibilidades de que um motorista distraído enxergue as luzes de seta piscando e avisando: “reduza que vou entrar na próxima rua.”

Outro atentado à segurança no trânsito é não manter a distância de segurança do carro da frente, assim como abusar da velocidade, andar chutado ou colado atrás do outro motorista.

Também não adianta vir chutado, frear repentinamente e dar seta só depois que a manobra está pela metade, assim como não adianta saber usar a chave de seta, mas não fazer a revisão periódica de luzes de segurança e sair por aí feito um galo cego no trânsito.

Cuidado ainda maior temos que ter com os alunos nas autoescolas, a nova geração de condutores, já que uma das faltas que mais reprova os candidatos em exames práticos de direção é não dar seta, conforme o art. 19 da Resolução 168/2004 do CONTRAN, inciso II, letra “e”, sobre as Faltas Graves e 3 pontos negativos: “e) não sinalizar com antecedência a manobra pretendida ou sinalizá-la incorretamente.”

Tem tanta gente pelas cid
ades afora que acha que dirige melhor que os outros, que xinga os outros de pitoco, meia roda e de tantas outras coisas, quando na verdade, eles estão se apresentando às pessoas em alto e em bom tom. Principalmente, quando mudam de faixa, convergem ou param o carro sem avisar o motorista que vem atrás.

Precisamos de mais respeito aos outros que estão no trânsito. Precisamos de mais colaboração, de mais cidadania e de menos motoristas ego
ístas, de menos donos da rua nesse espaço compartilhado que é o trânsito.

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']