• Tecnodata Reciclagem CNH

Notícias

Opinião

Parada pedagógica pela qualidade de ensino nos CFCs 

Parada pedagógica pela qualidade de ensino nos CFCs

Voando para Mato Grosso do Sul para participar, na terça-feira (14 de maio) da 3ª Atualização Extraordinária de Instrutores e Diretores dos Centros de Formação de Condutores (CFC). O encontro reúne cerca de 115 CFCs e 806 instrutores e diretores geral e de ensino. A atualização, prevista na Resolução n.º 358/10 do Contran, é voltada aos Centros de Formação de Condutores, que reincidiram seis ou mais vezes no índice de aprovação estando abaixo dos 60% nos exames teóricos/técnicos e/ou direção veicular.

Rever o modo como se ensina e como se aprende a dirigir nas autoescolas credenciadas ao Detran de Mato Grosso do Sul. Identificar oportunidades e buscar soluções para melhorias que tornem a aprendizagem da direção veicular significativa para os futuros condutores. Essa é a tônica do encontro, do qual tenho a honra de ser palestrante.

Na verdade, prefiro chamar de parada pedagógica, de roda de conversa. Um momento histórico, em que profissionais do ensino e da aprendizagem da direção veicular foram convidados pelo Detran-MS a repensar a gestão do processo e do Plano Pedagógico pelos CFC’s e identificar quais os indicadores visíveis e ocultos das reprovações nas provas práticas de direção.

O que torna esse momento diferenciado é que, pela primeira vez, instrutores e diretores de ensino poderão conhecer os fundamentos do método decomposto de aprendizagem veicular, desenvolvido em países de plataforma cultural sustentada na segurança no trânsito, e questionar o que podem aprender com isto de acordo com a realidade brasileira e local. Também estará em pauta a formação continuada e a qualificação permanente dos instrutores e diretores de ensino.

Num cenário nacional em que as reprovações nas autoescolas colocam em xeque o modo como se ensina e como se aprende a dirigir diante de taxas de reprovação que passam de 80% em alguns estados, basta que menos de dois décimos abaixo dos 60% da taxa de aprovação mínima das autoescolas da capital, Campo Grande, para que Detran MS introduza ao debate assumindo posição de vanguarda.

Note-se que as taxas de aprovação das autoescolas sul matogrossenses fora da capital chegam a quase 80%, ou seja, no Mato Grosso do Sul aprovam-se os mesmos percentuais de alunos que reprovam em outras capitais. Mas, ainda assim, a preocupação é grande em melhorar os métodos de ensino e tornar a aprendizagem da direção ainda mais significativa para o maior número de futuros motoristas.

Ao problematizar a questão pedagógica mesmo com altos índices de aprovação nos testes práticos de direção, o que o estado de Mato Grosso do Sul e seus gestores de trânsito nos ensinam é que, se cada um no processo de habilitação fizer a sua parte, é possível substituir o adestramento pela aprendizagem significativa da direção veicular.

Um momento único, importante, em que representantes de todos os envolvidos no modo como se ensina e se aprende a dirigir no Brasil faz uma parada pedagógica, se mobiliza, socializa as dificuldades cotidianas, mas também a busca de soluções para problemas comuns.

O melhor, o mais importante, é que a preocupação destes 115 representantes de CFC’s de Mato Grosso do Sul, dos instrutores, dos diretores de ensino e dos organizadores do evento não é só em aumentar os percentuais de aprovação para o próximo ano.

O mais significativo é que os fundamentos da aprendizagem significativa da direção veicular começam a deixar de ser objeto discursivo para se incorporar aos interesses, às metas, ao planejamento estratégico pedagógico das autoescolas de Mato Grosso do Sul.

O que esses gestores de CFC, instrutores, diretores geral e de ensino, e profissionais do Detran de Mato Grosso do Sul mostram ao Brasil sofrido das altas taxas de reprovações nos exames práticos e de motoristas iniciantes mal preparados para o trânsito é que a mudança é possível.

Mostram que rever as práticas tradicionais de ensino focadas em memorização e adestramento é o primeiro passo para a grande e necessária mudança: aprendizagem significativa para formar motoristas melhores preparados e cidadãos para o trânsito.

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *