Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

Ainda há muito por fazer para reduzir vítimas do trânsito


Por Talita Inaba Publicado 07/06/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h37
Ouvir: 00:00

Os números da CET mostram uma queda de 12,1% no índice de mortes por veículo em relação a 2011. Uma marca satisfatória para uma cidade situada em um país no qual a segurança viária é relegada a terceiro plano. Em que pesem as quase 50 mil mortes por ano em acidentes de trânsito, os milhares de feridos graves e o custo de R$ 50 bilhões, ainda não temos um órgão federal para cuidar da questão. Os dados também mostram que as principais vítimas são os pedestres, os motociclistas e os ciclistas. Não por acaso, pois os estudos mostram que no Brasil o risco de morrer em viagens urbanas de moto é 30 vezes maior do que de carro; de bicicleta, 10 vezes; e a pé, 5 vezes. Só com muita educação e fiscalização/punição será possível reverter esse quadro. O número anualizado de mortes caiu em todos os meses de 2012, sintoma de um trabalho adequado voltado para a segurança no trânsito. Para que São Paulo não fique tão “cheia” do seu feito, vale colocar que ela conta com uma grande aliada no combate aos acidentes: a lentidão do trânsito, que aumenta ano após ano. Quanto isso contribuiu, é difícil precisar. Fonte: Folha.com

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *