Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

12 de julho de 2024

Como manter seu carro por 10 anos ou até os 200 mil km


Por Mariana Czerwonka Publicado 26/09/2012 às 03h00 Atualizado 09/11/2022 às 00h03
Ouvir: 00:00

São Paulo – Se antes eram poucos os carros que chegavam inteiros aos 200.000 quilômetros, hoje não é difícil fazê-los alcançar esta marca com um pouco de cuidado. Estudo elaborado pela consultoria automotiva Jato Dynamics mostrou que em um período de 10 anos é mais econômico manter o mesmo carro até os 200.000 quilômetros, do que trocar o carro depois de cinco anos, ou aos 100.000 quilômetros (considerando que o veículo percorra 20.000 quilômetros por ano nos dois casos). Para manter um veículo por 10 anos, no entanto, é essencial que o motorista faça uma boa manutenção do automóvel.

Veja a seguir 4 orientações para levar o seu carro até a marca dos 200.000 quilômetros reduzindo ao máximo os gastos com manutenção.

1) Escolher o carro certo

De nada adianta cuidar de um produto que não tem qualidade de fábrica. Por isso, a fase de escolha do veículo é muito importante.

No Brasil não há nenhum tipo de pesquisa que compare especificamente a durabilidade de diferentes modelos. Na falta de estudos, Gerson Burin, analista técnico do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi), recomenda que os consumidores busquem em fóruns e entre conhecidos opiniões sobre os veículos pretendidos. “É importante checar os benefícios do modelo escolhido, se há problemas com manutenção, se as peças possuem um preço bom e qual é a disponibilidade da peça”, diz.

Além de observar na escolha do modelo os carros que têm mais chances de não causarem problemas com manutenção, é fundamental que o comprador escolha um modelo adequado às suas preferências para que ele queira manter o veículo durante os 10 anos.

Burin explica que para escolher o modelo que não cause arrependimentos depois, o motorista pode começar avaliando o tipo de uso que o veículo terá no dia a dia, se ele circulará em grandes cidades, se será usado para carga, se precisará de um motor mais potente, ou se irá acomodar uma família. “Se a família tem cinco pessoas, por exemplo, o comprador deve buscar um veículo maior, que acomode todos de forma segura e que, ao suportar mais peso, não tenha comprometimento da suspensão e dos amortecedores”, diz.

Ele acrescenta que observar os veículos mais vendidos na região onde o motorista irá circular com o carro pode ser uma boa dica para encontrar o veículo mais adequado para o uso naquele local.

No caso da compra de carros usados ou seminovos, a escolha deve ser ainda mais criteriosa. É importante que o comprador saiba desvendar alguns dos truques que os vendedores podem usar para disfarçar problemas que os carros tenham enfrentado. Algumas das dicas são: participar da inspeção técnica do carro, pela qual todos os veículos passam antes da revenda; avaliar se há alguma assimetria entre as portas, os para-choques e o teto; e não comprar um veículo sem o manual, uma vez que o odômetro do carro pode ter sido adulterado para apresentar uma quilometragem menor e apenas com o manual é possível checar se houve algum tipo de alteração.

2) Seguir as orientações do manual do veículo

O analista do Cesvi explica que uma das melhores formas de aumentar a durabilidade do carro é seguir as instruções do manual do veículo. “No manual, o motorista encontra inúmeros tópicos que dão um contexto geral sobre o modelo e podem espelhar a durabilidade do veículo”.

Os manuais trazem informações sobre o momento em que o motorista deve fazer as revisões, as trocas de óleo, dos filtros de óleo e de ar, as checagens da suspensão, do alinhamento, a maneira correta de lavar o carro e todo tipo de informação sobre manutenção preventiva.

Segundo o Gerente de Atendimento da Jato Dynamics, Milad Kalume Neto, os manuais trazem ainda informações específicas sobre o momento certo para as trocas de peças e fluídos, de acordo com o tipo de uso do carro. “Os manuais sugerem que o tempo para as trocas sejam reduzidos pela metade caso o carro tenha um ‘uso severo’. Essa classificação geralmente é usada para uso em grandes cidades, que têm muitos congestionamentos, porque quando o motor fica ligado sem rodar, o desgaste é maior”, explica.

A definição de uso severo também se encaixa a motoristas que usam os carros em estradas com muita poeira, barro ou lama, ou quando o veículo roda no máximo cinco quilômetros por percurso, ficando parado por muito tempo.

3) Dirigir com cuidado

A forma como o motorista dirige o carro também pode afetar sua durabilidade. “Se o motorista dirige de forma mais agressiva, o carro pode ter uma durabilidade menor do que se ele dirigisse de forma mais prudente”, explica Kalume.

Algumas ações que tornam a direção mais prudente podem ser um pouco óbvias, como: passar por uma lombada amaciando o impacto, para não afetar a suspensão; desviar de um buraco para preservar as rodas e o amortecedor; não acelerar de maneira brusca, para aliviar o motor e os pneus; não deixar o som ligado com o motor desligado, para evitar o desgaste da bateria; e trocar a marcha na rotação adequada para não afetar o câmbio do carro. 

Mas, outras dicas que podem dar vida longa ao carro são menos conhecidas. “Para poupar a bateria, o motorista pode ligar o veículo pisando na embreagem, porque isso tira o peso do motor e exige menos do carro na hora da partida. Outra dica é ligar o veículo sem o farol aceso e com o rádio desligado. Ligar as luzes e outros equipamentos com o carro já ligado desgasta menos a bateria”, explica Kalume.

Ele acrescenta que alguns motoristas colocam o carro no ponto morto em descida para economizar combustível, mas fazendo isso acabam tendo o efeito contrário. Isto porque, na condição de ponto morto, o motor continua trabalhando como se estivesse em marcha lenta, fazendo com que a injeção de combustível continue ativa para não deixar o motor “morrer”. “O recomendável é que o motorista desça engrenado e sem acelerar pois o motor, nesta condição de inércia, tem o sistema de alimentação de combustível fechado, ocasionando um consumo quase nulo de combustível. Mudar as marchas segundo orientações do manual de propriedade também é outra forma de conseguir economizar combustível e esticar a vida útil do veículo “, diz Kalume.

4) Não economizar gastos que podem gerar prejuízos depois

Neste item, a economia na gasolina é um dos exemplos mais claros de como o barato pode sair caro. O combustível adulterado pode causar o entupimento da bomba de gasolina e o vazamento para o motor, levando o carro a morrer. E pode provocar ainda a corrosão do sistema de injeção eletrônica e o acúmulo de resíduos no motor, que pode levar à fundição do motor.

“Nem sempre o mais barato é o melhor e nem o mais caro é o ideal. É importante observar as dicas do manual sobre os produtos indicados. Na hora de fazer a reposição, por exemplo, usar peças que tenham qualidade é um fator decisivo para a durabilidade do carro”, diz Burin. Em outras palavras, para alguns veículos, por exemplo, se o manual sugere que o combustível usado seja a gasolina aditivada é importante que a orientação seja seguida. Mas, em outros casos, a gasolina comum é perfeitamente aceitável e o motorista pode gastar dinheiro à toa com um combustível mais caro.

Segundo o gerente da Jato Dynamics, a limpeza do veículo também é outro “investimento” que pode ajudar na meta dos 200.000 quilômetros. “A forma de limpar o veículo pode resultar em menor acumulação de pó em uma peça crítica, reduzindo o desgaste na peça. Alguma correia ou a própria maçaneta das portas, por exemplo, com a limpeza adequada também têm menor desgaste”, explica. A limpeza inadequada também pode levar a danos na pintura do carro e em peças de borracha.

Cassio Hervé, diretor do portal Oficina Brasil e da Central de Inteligência Automotiva (Cinau), explica que muitos motoristas não realizam corretamente a manutenção preventiva por falta de informação. “Empresas com grandes frotas de carros têm programas muito rigorosos de manutenção preventiva e por isso conseguem manter os carros por muitos anos. O problema é que as montadoras não se preocuparam tanto em passar esse tipo de informação, porque se o carro tiver manutenção preventiva, o motorista vai demorar mais tempo para repor as peças”.

FONTE: Exame

dpvat

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *