Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

22 de julho de 2024

Alta frequência de acidentes de trânsito assusta motoristas

Pouca educação para o trânsito e muita imprudência tornam o trânsito do Brasil um dos mais perigosos do mundo.


Por Agência de Conteúdo Publicado 20/05/2023 às 13h30 Atualizado 24/05/2023 às 08h30
Ouvir: 00:00

O Brasil sofre com um grande desafio no transporte urbano. Um país com cidades densamente povoadas, de transporte público deficitário, principalmente nas suas metrópoles, cuja solução passa pelo já insustentável transporte individual, principalmente carros. Soma-se a isso o status social que acompanha ter um veículo, símbolo de conquista pessoal, fenômeno retratado na obra do sociólogo Roberto da Matta.

Para ele, ao exercitar a visão comum do brasileiro sobre o que é o trânsito, reconhece que a rua é um espaço público que, sendo de todos, não é de ninguém. Nela, vale a “lei do mais forte”, que acaba por colocar carros contra carros, carros contra motos e onde o pedestre e o ciclista não têm vez. Com mais de 60 milhões de carros e 25 milhões de motos circulando diariamente neste caos urbano, os acidentes se tornam inevitáveis para os motoristas.

O trânsito brasileiro é o terceiro que mais mata no mundo, segundo a OMS, ficando somente atrás de Índia e China. 1,35 milhão de pessoas aproximadamente morrem anualmente nas ruas do país, sendo esta a oitava maior causa de mortes.

Comportamentos criminosos como beber e dirigir, usar celular ao volante, falta de respeito à sinalização e direção agressiva estão entre as principais causas de óbito.

A alta frequência nos casos de acidentes no trânsito passa então a causar pânico em quem precisa enfrentar diariamente esta “selva”, seja para ir e vir do trabalho, para ir frequentar os estudos ou levar os filhos à escola, ao médico, ou outra situação corriqueira qualquer. Todo episódio que envolve enfrentar as ruas torna-se motivo de apreensão e ansiedade.

São os motoqueiros os mais prejudicados, chegando por vezes a ultrapassar os 50% dos casos de acidentes. Em geral são homens jovens que compõem a maior parte deste perfil, podendo se falar em um padrão, de acordo com levantamentos da plataforma DataSUS. Este é o banco de dados que cadastra todos os atendimentos feitos na rede pública de saúde, como hospitais e prontos-socorros.

Sendo mais baratas de se adquirir e rápidas para o trânsito da cidade, foram a solução perfeita para muitas pessoas conseguirem se lançar no mercado de trabalho. Isso, principalmente com o aumento da demanda por delivery, muito por conta da pandemia. E também do momento econômico do país, que acabou empurrando mais pessoas para o trabalho informal, precisando de uma saída barata e rápida do desemprego. 

Conforme especialistas, deve-se repensar todo o conceito de educação para o trânsito. Para o presidente do Conselho Deliberativo do Observatório Nacional de Segurança Viária, José Aurelio Ramalho, as próprias autoescolas não instruem para uma educação no trânsito, mas apenas para a obtenção de uma habilitação para dirigir, que na prática se traduz por passar por uma prova.

Além dos traumas físicos, ficam os traumas psicológicos.

Por causa de acidentes, motoristas trabalhadores deixam de trazer o sustento para suas casas, famílias perdem parentes e pessoas incapacitadas são obrigadas a conviver com a dor. Uma solução para quem precisa trabalhar na rua, mas questiona-se se compensa alugar carros para Uber, é levar em conta o oferecimento de seguro, revisão e manutenção do carro. Estes itens são imprescindíveis para mais segurança no trânsito.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *