Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

16 de julho de 2024

Alta do combustível afeta motoristas de aplicativo


Por Agência de Conteúdo Publicado 29/10/2021 às 11h15 Atualizado 08/11/2022 às 21h20
Ouvir: 00:00

Para economizar, os motoristas de aplicativo estão cancelando corridas e trabalhando mais horas por dia. Leia a matéria!

A inflação tem afetado a vida de todos os brasileiros, mas em especial dos motoristas de aplicativo. Por causa do aumento do preço da gasolina, as corridas têm se tornado menos lucrativas e os profissionais estão tendo de trabalhar mais horas por dia para conseguir pagar as despesas de casa, arcar com a manutenção do carro e abastecer.

Segundo dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP), o preço médio do litro de gasolina nas duas últimas semanas passou de R$ 6,32 para R$ 6,36 – um aumento de 0,61%. Esta já é a 12ª semana seguida de alta.

O total acumulado no ano é de 41,96%. Alguns estados já estão comercializando o litro de gasolina por um valor acima de R$ 7.

A previsão para as próximas semanas não é nada animadora. Especialistas afirmam que os preços podem subir ainda mais, por conta da alta do dólar e do aumento do preço do barril de petróleo. Para completar, algumas distribuidoras alertam para o risco de desabastecimento.

Motoristas de aplicativos

Uma das reclamações dos motoristas de aplicativo é o baixo valor repassado a eles pelas empresas Uber e 99, por exemplo. Embora o preço da gasolina crescesse a cada semana, os apps continuaram a cobrar e a transferir a mesma quantia pelas corridas realizadas. Dessa forma, os motoristas trabalhavam tanto quanto antes, mas ganhavam menos.

Essa situação causou uma onda de cancelamento de corridas.

Os motoristas passaram a avaliar o trajeto e a priorizar aqueles mais longos, que, portanto, pagassem mais. Se o local de embarque do passageiro for distante de onde o motorista se encontra, essa corrida também tem altas chances de ser cancelada. Afinal, qualquer economia vale a pena.

Os usuários de aplicativos de mobilidade urbana têm relatado dificuldades para ter uma corrida aceita. Após vários cancelamentos e uma espera que pode chegar a 40 minutos é que eles conseguem embarcar.

Diante dessa situação, as empresas Uber e 99 aumentaram as taxas de repasse para os motoristas.

Ainda assim, os profissionais argumentam que o valor não é suficiente para cobrir o aumento da gasolina e estão buscando outras formas de economizar para continuar trabalhando.

Há quem esteja optando por alugar um carro para economizar. Dessa forma, é a locadora de veículos que fica responsável pelos custos de seguro, manutenção, IPVA, entre outros. Além disso, o motorista não precisa se preocupar com a desvalorização do modelo. Em meio a um cenário incerto, essa pode ser uma saída para lucrar mais.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *