Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

25 de julho de 2024

Celso Mariano recebe Stephan Knecht para um papo sobre cidadania e o trânsito no mundo


Por Mariana Czerwonka Publicado 23/02/2018 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h18
Ouvir: 00:00

No quadro Sala de Visitas, o Diretor do Portal do Trânsito Celso Alves Mariano recebe convidados especiais, que sempre têm uma – ou várias – boas histórias para contar sobre trânsito.

Neste programa, Celso recebeu o seu amigo Stephan Knecht, um cidadão do mundo. Conheça um pouco sobre o significado de ser cidadão a partir da perspectiva de quem já morou em varias países. Stephan tem ideias bem definidas sobre diretos e deveres e define cidadania pela intensidade da participação:

“Cidadania pede participação, sobretudo no trânsito, que é da comunidade. Entretanto, nas reuniões, eventos e ações pelo trânsito, o cidadão se ausenta. É mais fácil encontrar lá os funcionários dos órgãos públicos. Acontece que somos nós, cidadãos, que usamos o trânsito e geramos os acidentes, não o governo. O maior movimento em prol de um trânsito seguro deveria partir dos cidadãos, não dos órgãos públicos”.

Suíço de nascimento, Stephan adotou o Brasil como pátria. Ele entende que Cidadania é cada um tomar para si a responsabilidade de participar. É o que ele faz no Programa Vida no trânsito da ONU/OMS.

O CONSEG

Conselho de Segurança do Bairro, como base para as ações. A pesquisa de opinião junto aos moradores, para legitimar as decisões. A precária situação das calçadas e os efeitos indesejáveis disso até para quem é condutor. Um Plano de Trânsito para o estado, e não para esta ou aquela administração pública. Os perniciosos fatores políticos e seu desserviço para o trânsito.

E, apesar de tudo isso, não desistir. Tudo isso é muito mais neste primeiro bloco.

 

No segundo bloco, a lição de que os cidadãos precisam ocupar seus espaços. Trata-se de um direito inalienável. Mas também é uma receita para conferir segurança para todos.

A história de uma famosa rotatória no Bairro Hugo Lange, em Curitiba, das inspirações aos estudos técnicos e exercício de cidadania participativa, complementa este encontro de amigos e parceiros na causa por um trânsito melhor.

 

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *