Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de julho de 2024

Condutores são peças fundamentais para a segurança no trânsito

Por meio de atitudes e comportamentos responsáveis, o motorista pode influenciar diretamente na prevenção de sinistros.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 08/11/2023 às 18h00
Ouvir: 00:00

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) considera que, para reduzir o número de sinistros de trânsito, condutores devem assumir a responsabilidade de suas ações e tomar decisões compatíveis com a segurança de todos. Por meio de atitudes e comportamentos responsáveis, o motorista pode influenciar diretamente na prevenção de colisões, atropelamentos e outros incidentes no trânsito.

Ao adotar uma postura proativa ao volante em relação à segurança no trânsito, como respeitar a legislação, não ultrapassar os limites de velocidade, não utilizar o celular e não dirigir sob efeito de álcool e outras substâncias psicoativas, o condutor antecipa possíveis situações de risco. E, assim, tem a capacidade de evitá-las.

Além disso, é fundamental que o condutor mantenha os cuidados com seu veículo em dia. Como, por exemplo, a calibração correta dos pneus, nível de óleo, filtros de ar, freios e o uso dos equipamentos de segurança, como os cintos de segurança e as cadeirinhas para crianças.

Dispositivos de segurança infantil

Ao escolher um dispositivo de retenção infantil é importante levar em consideração o peso, a altura e a idade da criança para que se possa identificar o modelo adequado.

Desde o nascimento a criança deve ser transportada no bebê conforto. Ele deve ser instalado de costas para o movimento do carro e obedecendo a um ângulo de inclinação de, no mínimo, 45°. A posição de costas e a inclinação são necessárias, pois entre 0 e 13 kg, a coluna e os ligamentos do pescoço ainda não suportariam o peso exercido pela cabeça no momento de uma colisão, no caso do bebê estar de frente para o movimento.

Entre 1 e 4 anos de idade (aproximadamente 9 a 18 kg), deve-se transportar as crianças em cadeirinhas, no banco traseiro do carro, na posição vertical e voltadas para frente.

As tiras da cadeirinha devem sair da fenda localizada na altura do ombro do bebê, ou acima. Além disso, deve-se ajustar ao corpo com um dedo de folga entre o peito e as tiras. O topo das orelhas da criança não deve ultrapassar o encosto da cadeirinha no carro.

Entre 4 e 10 anos de idade (aproximadamente 15 a 36 kg), existem duas opções seguras. As cadeirinhas apropriadas para o peso da criança ou o assento de elevação, conhecido como “booster”, instalados no banco traseiro do carro.

Somente crianças com altura superior a 1,45m podem utilizar o cinto de segurança sem a necessidade de outros dispositivos. Nesse momento, a criança será capaz de apoiar as costas completamente no encosto e dobrar os joelhos confortavelmente na borda do banco. Além disso, o cinto estará na posição correta, passando pelo centro do ombro e peito da criança, e sobre os quadris. Normalmente, alcança-se essa altura entre 9 e 13 anos de idade.

As informações são da Assessoria de Imprensa do DNIT

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *