Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Filtro de ar é diferente do de ar condicionado


Por Talita Inaba Publicado 29/05/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h38
Ouvir: 00:00

Os dois são parecidos e têm a mesma função: filtrar o ar. Porém, há muitas diferenças entre o filtro de ar e o filtro do ar condicionado do seu carro. O primeiro cuida do motor. O segundo protege os seus pulmões. Não é raro motoristas sentirem algum cheiro estranho no ar condicionado e pedir para trocar o filtro. Só que o frentista do posto muitas vezes vai lá e troca o filtro de ar do motor. Ou seja, o cheiro ruim segue o mesmo. Se você ainda faz confusões, vamos às explicações. Quando se fala em filtro de ar, o assunto é relacionado ao motor do seu automóvel. Ele tem a função de separar e eliminar as partículas impuras do ar aspiradas pelo motor, garantindo que somente o ar livre de impurezas chegue à câmara de combustão. Geralmente é quadrado e fica protegido por uma caixa plástica junto ao motor. Na maioria dos casos, é fácil e rápido de ser trocado. A recomendação é para ser substituído, em média, a cada 10 mil quilômetros. Já o filtro do ar condicionado, também chamado de filtro de cabine, evita que impurezas da rua entrem no veículo, além de evitar cheiros ruins. Diferentemente do outro, ele não tem prazo de troca por quilometragem, vai depender de como o motorista usa o carro. Se o veículo circula mais em estradas empoeiradas, por exemplo, o filtro terá duração menor. É fundamental a checagem periódica, pelo menos a cada 20 mil quilômetros. Ele é mais complicado de ser trocado, pois quase sempre precisa ser retirada parte do painel. Apesar da diferença, os cuidados com os dois devem ser os mesmos. “Deve-se verificar durante a revisão os seguintes filtros, óleo, combustível, ar e cabine, o período de troca depende de vários fatores como o local onde o veículo trafega, por exemplo, situação urbana, rodoviária ou rural, mas sempre é indicado seguir o que é recomendando pelo fabricante”, diz André Gonçalves, consultor técnico da MANN+HUMMEL. Fonte: Terra.com

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *