Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

28 de November de 2023

Novos radares podem fiscalizar a velocidade antes e depois de onde está instalado o equipamento. Entenda!

Uma nova tecnologia de radares já está em implementação nas grandes cidades e permite fiscalizar a velocidade do veículo antes e depois de onde está instalado o equipamento.


Por Mariana Czerwonka Publicado 08/05/2023 às 08h15
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Radares de velocidade
Radar em funcionamento em Curitiba. Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

Uma má notícia para aqueles motoristas que têm o costume de frear em cima dos radares e voltar a acelerar depois que passam do equipamento. Isso porque uma nova tecnologia de radares já está em implementação nas grandes cidades e permite fiscalizar a velocidade antes e depois de onde está instalado o equipamento.

Conforme Celso Mariano, especialista e diretor do Portal do Trânsito & Mobilidade, os radares modernos estão utilizando uma tecnologia baseada da detecção do efeito Doppler para aferir a velocidade dos veículos. “Talvez muitas pessoas nunca tenham ouvido falar em efeito Doppler. Quando um veículo se aproxima ou se afasta de um observador, há uma variação na frequência das ondas sonoras. É fácil perceber, por exemplo, que o som de uma moto se aproximando é diferente do som que percebemos quando ela está se afastando. O efeito Doppler permite determinar com precisão a velocidade a velocidade do veículo ao se aproximar e ao se afastar”.

“Anteriormente a velocidade era medida apenas durante a passagem pelo enlace cravado no piso. Agora não, o radar consegue detectar a velocidade do veículo até 50 metros depois da passagem pelo aparelho, às vezes mais. Se durante a aceleração o veículo passar da velocidade permitida, poderá haver a autuação. É a fiscalização ganhando mais eficiência. O melhor mesmo, portanto, é respeitar o limite máximo de velocidade”, orienta.

Além disso, os novos radares estão muito mais completos. Além de medir a velocidade, eles conseguem detectar conversões irregulares, mudanças de faixa não permitidas, parada sobre a faixa de pedestres e passar sob sinal vermelho. E também, em alguns casos, até condutor manuseando o celular.

Muitos condutores não sabem ou não se deram conta de que não se deve cruzar as faixas contínuas pintadas sobre o pavimento, mesmo quando separam faixas de mesmo sentido. É comum encontrá-las um pouco antes dos semáforos, por exemplo. Nesse caso, elas estão indicando a proibição de mudar de faixa. Existem também as faixas de forma circular, que servem para delimitar e organizar as conversões. Assim sendo, fazem com que o condutor faça a conversão dentro de uma determinada faixa, não devendo cruzar a linha se esta for contínua.

Cruzar estas linhas contínuas configura infração. E, portanto, sujeita o condutor à autuação e multa, se for detectada pelos novos radares ou por agentes de trânsito.

Assista aqui o Tira-dúvidas sobre a nova tecnologia dos radares.

Exemplo de Curitiba

A cidade de Curitiba, por exemplo, é uma das capitais que utiliza essa tecnologia em relação à fiscalização de velocidade. No entanto, não é a única, como explica Herick Dal Gobbo, coordenador da Unidade de Monitoramento por Dispositivos Eletrônico da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito do município. “A cidade de São Paulo já tem essa tecnologia há alguns anos. Além disso, hoje tem se verificado nos editais por todo Brasil que adotar o Doppler é uma tendência pelos municípios”, explica o coordenador.

Na cidade de Curitiba, apesar de ser possível medir a velocidade antes e depois dos radares, a fiscalização é feita em apenas um ponto, como acontecia na tecnologia anterior.

“A tecnologia basicamente é atrelada ao sensor que detecta antes e depois dentro dessa área de abrangência. No entanto, a fiscalização ocorre em apenas um desses pontos como era feito antigamente pelo laço físico. Então em que pese fiscalizar uma área de abrangência maior, a fiscalização ocorre em apenas um desses pontos”, conclui Dal Gobbo.

Assista a entrevista completa com Herick Dal Gobbo, coordenador da Unidade de Monitoramento por Dispositivos Eletrônico da Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito de Curitiba.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

18 comentários

  • Zé da Silva
    09/05/2023 às 09:03

    Roubo institucionalizado.

    • Borges
      10/05/2023 às 08:10

      Se seguir as regras de transito vc nao é multado. Fica a dica.

      • Marcelo
        10/05/2023 às 11:54

        Faz o seguinte… Anda na Av. Pastor Martin Luther King Jr (antiga Av. Automóvel Clube), no Rio de Janeiro, sempre dentro do limite de velocidade. E quando o sinal estiver vermelho, fica paradinho lá, até ele ficar verde. Rezarei pelo seu bem estar.

        • Bueno
          10/05/2023 às 19:08

          Excelente resposta 👏👏👏

      • Ayrton Maia
        11/05/2023 às 09:11

        Prioridade é faturar,.educar para quê? Não gera receita….simples assim

      • Geneses Costa
        11/05/2023 às 09:12

        Quero vê você seguir a recra quando as vias são mal sinalizadas, buracos que são iguais a uma cratera e te obriga a mudar de faixa por exemplo. Para de defender o estado.

      • Orlando Wlodkovski
        11/05/2023 às 20:44

        Ser mocorongo e tapado é o que eles querem. Desafogar o trãnsito congestionado nem passa pela cabeça desses ladrões.

    • Anilton D.Macedo
      11/05/2023 às 08:14

      Um “roubo” fácil de evitarmos, é só conduzir veículos dentro das regras

  • JOSE EDUARDO DE S CARRILHO
    10/05/2023 às 06:17

    Você está numa rodovia com velocidade de 80km/h e precisa passar num radar de 40km/h num ponto que a falta de planejamento urbano deixou crescer uma parte da cidade colado a via expressa ou rodovia. Você reduz no radar e depois vai a 40km/h até onde, pq o limite da pista é 80Km/h? Parece que ou se deseja institucionalizar a coleta de multas? E pior está sendo usado uma excursão de controle de tráfego para corrigir (ou finger que faz) um problema de outra origem …a tecnologia e inovação é sempre bem vinda quando não utilizada para “roubar” os cidadãos.

  • Rosalina Torres
    10/05/2023 às 07:19

    Cada vez mais a prioridade é punir, quando deveria ser educar.

  • Vanderlei Soares
    10/05/2023 às 10:48

    Embora a punição é louvável àquele que infringe às leis, deveria investir também em campanhas educativas com a mesma veemência.

  • Cartani
    10/05/2023 às 18:20

    O pior é o idiota defender as armadilhas feitas para roubar seu dinheiro. Nunca foi pela segurança. Porque este gênio não faz uma radar para pegar traficante e assaltante. Quantos caminhoneiros precisam ser assassinados para este idiota acordar.

    • Maria Eliani dos Santos Zomkowski
      10/05/2023 às 23:13

      Eu vou tirar o meu chapéu para o nosso Prefeito de Curitiba, por ter colocado nas placas 50km e 60km.
      Me sinto mais segura ao dirigir porque percebi que o Curitibano está respeitando e que daqui pra frente será melhor para todos nós. Ameeeeeiiiii esta velocidade baixaaaaa!!! Nota 10 para a nossa segurança, dos nossos filhos e netos. Obrigadaaaaa, valeeeeuuuu!!!!!

      • Paulo Cesar do Nascimento
        11/05/2023 às 20:44

        Só mocorongos e palermas pensam assim

  • Bueno
    10/05/2023 às 19:06

    Como sempre tudo igual ou pior.
    Mudam governos , gestores de trânsito, mais a prioridade sempre será a indústria de multas, o roubo do $ do trabalhador
    Para isso eles são bons em avanços e tecnologias.
    E o asfalto ??
    A fortuna do $ que pagamos em IPVA jogada no lixo
    Cadê a segurança contra a violência para circularmos a uma velocidade absurda e ridícula como essa de 40 ou 50 kms em cidades grandes como diz a reportagem ????
    Nem vidros escuros para tentarmos no proteger podemos usar pq senão :
    MAIS MULTAS
    Puro abuso de poder e arrecadação de $$$$
    Ninguém desses engenheiros, governantes, gestores de trânsito, estão preocupados com a segurança de ninguém
    Fica com o seu carro quebrado em alguma dessas vias tão bem monitoradas por cameras e radares , pra ver se parece alguém do Estado pra ajudar
    Aparece um querendo multar , o outro querendo guinchar para o pátio etc etc etc
    E ainda tem os sem noção nenhuma, que chegam e dizem:
    “Só respeitar as leis ”
    E as pegadinhas que criam onde bem entendem para a velocidade cair repentinamente e arrecadarem mais dinheiro do povo trabalhador ?????
    Os radares escondidos em estradas
    Policiais atrás de moitas, árvores, placas de sinalização, apontando o radar ao invés de prestar serviço a população
    UM ABSURDO

  • JOSE ROBERTO DOS SANTOS
    10/05/2023 às 21:00

    É sempre a mesma coisa a indústria das multas fala mais alto do que a educação no trânsito, deixaram de colocar guardas para educar o trânsito e colocar radares que rende mais grana.

  • Wellington Torquato
    11/05/2023 às 13:32

    Quando o assunto é arrecadar dinheiro as custas do cidadão de bem, as coisas funcionam bem rápido, mas quando o assunto é para beneficiar o cidadão, as coisas não andam nunca, sou motorista carreteiro, e o que mais vejo são radares instalados com velocidade de 40km por hora em subidas que dependendo do peso puxado o veículo tem que parar e subir o resto de primeira marcha, pois os carros de passeio passam de 20 por hora e dependendo do trânsito acaba atrapalhando a subida dos pesados. Mas, se fosse diferente disso, não seria Brasil

  • José Ruela
    11/05/2023 às 19:08

    Otima tecnologia. Podia agregar um lancador de granadas. Se vc passar acima da velocidade, seu carro é pulverizado.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *