Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

Médicos pedem maior rigor nas blitze da Lei Seca


Por Mariana Czerwonka Publicado 24/09/2012 às 03h00 Atualizado 09/11/2022 às 00h04
Ouvir: 00:00

É preciso aumentar a fiscalização de motoristas que bebem antes de dirigir e apertar a punição dos infratores que cometem crimes ao volante. A opinião é do médico Edilson Forlin, coordenador de Ações Institucionais da SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia), que lança em São Paulo, na terça-feira (25), Dia Nacional do Trânsito, a campanha Álcool e Direção, uma mistura que não combina.

— O álcool é um dos principais causadores de acidentes no País.

Segundo dados do Ministério da Saúde, divulgados pela SBOT, metade das mortes em acidentes está relacionada ao uso do álcool.

— É preciso fiscalizar e punir os infratores com rigor.

Segundo o médico, os acidentes de trânsito consomem quase 2% do PIB. Ele recorre a dados do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) que mostram despesa com acidentes urbanos e nas estradas no País em R$ 33 bilhões por ano (2003 e 2006). Considerando o atual PIB brasileiro, o custo com acidentes equivale a R$ 80 bilhões.

O ortopedista lembra que uma internação para tratamento de ferido grave em acidente custava, em média, R$ 92 mil, segundo estudo do Hospital das Clínicas, em 2003.

Forlin diz que o estudo acompanhou 548 pacientes por seis meses na capital.

— Esse estudo do HC-USP mostra ainda que um paciente com danos moderados pode ter custo médio de R$ 14,9 mil.

Ele lembra que a redução dos acidentes ajudaria a liberar leitos hospitalares para tratamentos de outras enfermidades. Em 2007, para cada morto em acidente havia dez feridos graves. Segundo o especialista, as pessoas não dão importância a acidentes que não tenham registrado mortes.

— Mas esses feridos que vão impactar fortemente o sistema de saúde.

A campanha explica que o álcool é depressor do sistema nervoso central e que o consumo de uma lata de cerveja ou de uma taça de vinho é suficiente para um motorista ser multado. “Dirigir depois de ingerir duas ou três doses já é crime”, afirma a SBOT.

FONTE: R7

dpvat

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *