Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

24 de julho de 2024

PR tem aproximadamente 14 mil veículos de transporte escolar, mas grande parte circula sem condições de tráfego

Associação alerta sobre a importância da verificação das condições dos veículos que realizam transporte escolar.


Por Pauline Machado Publicado 13/02/2023 às 13h30
Ouvir: 00:00
Veículos de transporte escolar
Pais e familiares devem exigir a comprovação da regularidade dos veículos, para garantir a segurança dos estudantes. Foto: Geraldo Bubniak/AEN

Antes mesmo do grave acidente que envolveu um ônibus escolar em Tunas no Paraná, a Associação Paranaense dos Organismos de Inspeção – APOIA, começou, há cerca de um mês, uma campanha informativa para alertar a sociedade sobre as exigências necessárias para os veículos que fazem o transporte escolar no Estado.

No entanto, mal começamos o período de volta às aulas, temos a triste notícia sobre o acidente com um ônibus escolar que transportava estudantes do município de Tunas do Paraná, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). De acordo com informações, o veículo perdeu o freio e caiu numa ribanceira, deixando crianças feridas.

Em nota, a prefeitura da cidade, responsável pelo serviço de transporte dos estudantes, apenas informou que “está apurando” o caso. Ela não esclareceu se o veículo tinha sido inspecionado e estava com a documentação em dia. Estes são dois fatores essenciais para garantir a segurança do serviço.

Desatualização e falta de fiscalização

De acordo com a assessora jurídica da APOIA, Fernanda Kruscinski, não se trata de apenas uma fatalidade. Isso porque os órgãos responsáveis pelo transporte escolar no Paraná foram notificados sobre a urgência de se fiscalizar a frota de veículos.

A Associação ressalta que em 2021 enviou ofícios para o Ministério Público do Paraná, para o Tribunal de Contas do Paraná e também para os municípios solicitando providências. A legislação exige que apenas ônibus, vans e micro-ônibus inspecionados e com a documentação em dia possam fazer esse tipo de serviço.

Dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PR) informam que existem 13.965 veículos autorizados a realizar o transporte de estudantes. Porém, a maior parte está no interior do Estado. Em Curitiba, são 1.253 veículos e os outros 12.712 estão distribuídos nos outros 398 municípios do Paraná.

O levantamento sobre a qualidade da frota foi feito pelo Tribunal de Contas também está desatualizado. O último, realizado em parceria com o Detran/PR, foi em 2018. E já naquela época apontou que 93% dos quase 4 mil veículos oficiais municipais e estaduais destinados ao transporte de alunos da rede pública estavam sem cadastro ou com a inspeção atrasada.

“O acidente em Tunas do Paraná só exemplifica, de forma triste, o que nós alertamos o tempo todo: há muito transporte clandestino e irregular em operação e colocando em risco a vida das crianças e adolescentes”, enfatiza o presidente da APOIA, Everton Pedroso.

Regulamentação

Segundo os primeiros levantamentos, o acidente ocorreu devido ao ônibus escolar ter perdido o freio, impedindo o motorista de manter o controle do veículo. Logo, na opinião de Pedroso, a falha nos freios já dá indícios de que o veículo não tinha condições de trafegar. É papel do gestor do transporte escolar fiscalizar isso. “Os transportadores precisam seguir o Código de Trânsito Brasileiro. Além disso, cumprir todos os requisitos exigidos na NBR 14040 e NBR 17075, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). As normas estabelecem todos os itens e acessórios veiculares que precisam estar adequados aos padrões de segurança para fazer esse tipo de transporte de passageiros”, aponta.

A legislação é válida para serviços de transporte escolar privados ou fornecidos pelas prefeituras em todas as regiões do Brasil. Ou seja, neles, obrigatoriamente, os veículos devem passar por inspeção veicular periódica a cada seis meses.

“Durante a inspeção periódica, são verificados itens como a condição dos pneus, funcionamento do sistema de freios e suspensão em linha mecanizada, presença dos cintos de segurança, fixação dos bancos, condições do sistema elétrico, sistemas de iluminação e sinalização, entre muitos outros pontos previstos nas normas ABNT NBR 14040, NBR 17075 e na legislação de trânsito”, detalha o presidente da APOIA.

Ele afirma, ainda, que tais exigências têm como objetivo garantir a segurança dos passageiros, sob pena de multa bem como apreensão do veículo para quem não seguir a regra. “A inspeção veicular deve ser realizada pelos órgãos estaduais e municipais de trânsito, profissionais da engenharia habilitados ou por empresas de inspeção veicular autorizadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) e Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), que possuem em seus quadros técnicos mecânicos e engenheiros especializados no assunto, além da infraestrutura exigida na legislação para fazer essa análise”, orienta.

Por fim, Pedroso enfatiza que pais e familiares devem exigir a comprovação da regularidade dos veículos para garantir a segurança dos estudantes. Já, prefeituras que realizam ou terceirizam esse tipo de serviço também precisam ficar atentas à legislação na hora de contratar ônibus, micro-ônibus assim como vans com esse objetivo.

“No caso dos municípios, a responsabilidade sobre qualquer irregularidade ou, pior, um acidente, recai sobre os gestores. Por isso é fundamental fiscalizar toda a frota e fugir dos serviços clandestinos”, ressalta e finaliza.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *