Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Pesquisa mostra que andar de táxi pode ser mais barato que ter carro


Por Mariana Czerwonka Publicado 09/04/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h43
Ouvir: 00:00

A escolha entre o carro e o táxi depende de vários fatores, muitos deles pessoais. Até 15 quilômetros rodados por dia, o táxi é mais barato

Uma pesquisa apontou São Paulo como a segunda cidade mais cara no mundo para se ter carro. Dependendo do uso, não vale mais a pena ter carro próprio. São altos os gastos para manter um carro na cidade de São Paulo.

Um economista tem a resposta na ponta do lápis. De conta em conta, ele mostra: em alguns casos, vale a pena pegar um táxi.

Carro ou táxi? Em uma cidade grande com trânsito tão ruim como o São Paulo, os dois são alvos de reclamações. “Não ando muito de táxi aqui em São Paulo porque é muito caro, e o trânsito acaba encarecendo mais ainda”, afirma a historiadora Monica Padial.

Quem tem carro, também reclama. “Combustível, óleo, pneu, seguro, é de tudo”, diz um homem.

A escolha entre o carro e o táxi depende de vários fatores, muitos deles pessoais. Se eu gosto de liberdade e privacidade, meu carro me leva para onde eu quero, na hora que eu quiser e no meu espaço. Por outro lado, para quem gosta de conforto e detesta perder tempo, o banco do passageiro de um táxi é uma boa oportunidade para ler, trabalhar, até descansar.

Agora, se o critério para essa escolha for financeiro, é preciso sentar e fazer as contas. O economista Samy Dana criou uma tabela para facilitar essa tarefa.

De um lado, anotou os gastos anuais com um carro que custa R$ 30 mil: combustível, manutenção, impostos, seguro, estacionamento e o que ele chamou de custo de oportunidade, que é o que o dono do carro deixa de ganhar porque o dinheiro usado para comprar o carro não está aplicado.

“Se você tem R$ 30 mil no banco e tirou para comprar o carro, esses R$ 30 mil estariam rendendo. Outra coisa é a depreciação, que subiu muito, os carros desvalorizam as vezes mais do que 20% em um ano só”, afirma.

Do outro lado, calculou o valor da bandeirada e da corrida, em São Paulo. Nos dois casos, a despesa depende das distâncias. Até 15 quilômetros rodados por dia, o táxi é mais barato.

Rodando 16 quilômetros, a conta empata, ainda com uma pequena vantagem para o táxi. Mas, a partir de 17 quilômetros rodados por dia, rodar de carro custa menos.

O empresário Luiz Yassuda fez essa comparação em agosto do ano passado e descobriu que, no caso dele, o táxi ficaria mais barato. Vendeu o carro e, oito meses depois, economizou R$ 5 mil. “Perde obviamente na praticidade e no conforto, mas para mim conforto de fato é ter um motorista dirigindo para mim e eu podendo ficar no celular enquanto estou me deslocando para outro lugar”, afirma.

Fonte: Bom Dia São Paulo

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *