Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

Por que os bitrens de nove eixos são um risco ao trânsito?


Por Mariana Czerwonka Publicado 26/09/2012 às 03h00 Atualizado 09/11/2022 às 00h03
Ouvir: 00:00

Veículos modificados são inseguros e prejudicam as estradas

A busca incessante pela produtividade tem levado alguns transportadores a colocar as preocupações com segurança de lado e alterar implementos para carregar mais carga. O fato não é novo. Os chamados bitrenzões – com nove eixos, comprimento de 19,80 metros e peso bruto total combinado (PBTC) de 74 toneladas – estão proibidos desde 2006, segundo a resolução 211 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), mas seguem sendo produzidos de maneira ilegal. E, pior, circulando nas estradas brasileiras.

A resolução exige que estes veículos sejam tracionados por cavalos mecânicos de 6×4 e tenham entre 25 e 30 metros, aumentando os custos dos transportadores para uma adequação. Buscando diminuir o índice de bitrens ilegais, o Contran publicou, recentemente, a resolução 418, que busca deixar o assunto ainda mais claro. Porém, um erro na publicação causou o efeito contrário. De acordo com o texto, ficaria proibida “a inclusão de eixo auxiliar veicular em semirreboque com comprimento igual ou inferior a 7 metros, dotado ou não de quinta roda”.

Segundo Neuto Gonçalves dos Reis, diretor técnico da NTC & Logística, houve um erro na publicação, que deve ser corrigida em breve. “Os sete metros estão pegando a caixa de carga e não o comprimento total do chassi”, explica. “O comprimento mínimo deve ser fixado entre 25 e 30 metros para caminhões de nove eixos. Como essas combinações são muito curtas, acabam provocando danos nestes locais”, completa Reis.

A presença dos britrenzões nas estradas é resultado da mesma resolução, de 2006, que incluiu um artigo permitindo os donos que já possuíam implementos de nove eixos e até 19,80 metros de conseguir uma Autorização Especial de Trânsito (AET) para seguir circulando. Essa brecha fez com que houvesse uma “febre” de alterações nos implementos, levando alguns estados a proibir a circulação deste tipo de veículo, o que aconteceu em São Paulo e no Paraná. “É inseguro, ilegal e prejudicial às pontes, porque o peso bruto fica muito concentrado num comprimento curto. Isso é feito por quem quer tirar vantagem das brechas da lei”, ressalta Júlio César Zingalli, instrutor de direção defensiva do Centronor.

Procurado pela reportagem, o Contran não esclareceu se irá modificar a resolução 418. O duplo sentido tem feito transportadores adaptarem as carrocerias até mesmo com eixos usados, sem respeitar os critérios dos fabricantes. “Em termos de pavimento – fora as pontes – não vejo maiores problemas, mas por ser tão curto, não há distribuição do peso, o chassi e a suspensão não aguentam. Feitos de maneira ilegal, são muito perigosos”, completa Reis. Os bitrens são proibidos de circular em rodovias de pistas simples nos feriados e suas respectivas vésperas. De acordo com a Pesquisa CNT de Rodovias 2011, quase 82 mil quilômetros dos 92.747 quilômetros das principais rodovias do País têm essas características.

Cartola – Agência de Conteúdo

Receba as mais lidas da semana por e-mail

1 comentário

  • Diogo Andrade
    25/12/2023 às 09:42

    Bom dia! De que forma é feito a medida de um bitrem de nove eixos? é do primeiro eixo dianteiro até o último eixo traseiro ou é do para-choque dianteiro até ao para-choque traseiro?

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *