Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

16 de julho de 2024

Relatório aponta compromissos do Brasil para a 2ª Década de Ação pela Segurança no Trânsito


Por Mariana Czerwonka Publicado 07/11/2022 às 21h38
Ouvir: 00:00

O documento descreve os antecedentes e as bases que fundamentaram a programação e a dinâmica do evento, assim como seus objetivos e resultados esperados.

A Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) no Brasil promoveu, entre 9 e 10 de junho de 2022, um encontro de autoridades, gestores e especialistas, sob o título “Reunião Nacional de Atores em Segurança Viária: Encaminhando os Compromissos do Brasil para a 2ª Década de Ação pela Segurança no Trânsito”.  O encontro era uma prévia à Reunião de Alto Nível ocorrida durante a 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas no tema da segurança viária.

Este encontro resultou em um relatório com o mesmo nome do evento “Reunião Nacional de Atores em Segurança Viária Encaminhando os compromissos do Brasil para a 2ª Década de Ação pela Segurança no Trânsito”.

Conforme a  OPAS/OMS, o documento descreve primeiramente os antecedentes e as bases que fundamentaram a programação e a dinâmica do evento, assim como seus objetivos e resultados esperados. Na sequência, são descritas as discussões levadas a cabo na série de painéis e apresentações de práticas, com seus argumentos, sugestões e encaminhamentos. Ao fim, uma síntese analítica da reunião é apresentada, ancorando-se na natureza complementar e interseccional dos conteúdos abordos, com pontos de atenção e recomendações assinaladas.

De acordo com Vitor Pavarino, assessor em Segurança Viária/Mobilidade Sustentável na OPAS/OMS, a divulgação do relatório neste momento é bastante oportuna.

“O que discutimos pode servir para subsidiar a política nacional de trânsito (… e de saúde no trânsito) de quem vier a assumir o novo governo”, explicou.

Recomendações

Ao final do evento, a relatora, a Arq. Silmara Vieira, apresentou uma síntese analítica das exposições e discussões da Reunião Nacional de Atores em segurança viária. A síntese consistiu, em sua organização em quatro eixos temáticos, assim definidos:

1. Informação e Governança;
2. Planejamento e Gestão;
3. Comunicação e Educação e;
4. Financiamento.

Para cada eixo, foi descrito o conteúdo definido, salientados pontos de atenção sobre os desafios e potencialidades expostas e listadas as recomendações que emergiram das discussões.

No caso do eixo “Comunicação e Educação”, por exemplo, as recomendações da OPAS/OMS são as seguintes:

  • Focar os processos de comunicação assim como educação em mudança de visão e conduta da população, em especial quanto aos impactos da velocidade na mobilidade.
  • Trabalhar a comunicação de forma aderente às peculiaridades dos diferentes atores no trânsito. De forma que as campanhas de comunicação e processos educativos, sobre velocidade por exemplo, tenham abordagens e mensagens diferentes para motoristas, passageiros, ciclistas, pedestres.
  • Promover processos bem como campanhas educativas que abordem e evidenciem as correlações e interdependências dos diferentes atores no trânsito (motoristas, passageiros, ciclistas, pedestres), promovendo uma consciência coletiva cooperativa e demonstrando seus benefícios.
  • Abordar do tema da segurança viária de forma articulada com temas mais atrativos como meio ambiente, conforto bem como segurança nos espaços urbanos.
  • Implementar campanhas educativos sobre os fatores de risco em especial para os motociclistas em cidades do interior.
  • Utilizar os processos de intervenção no espaço urbano (urbanismo tático) como processo pedagógico e como estratégia de comunicação e educação por meio da vivência e experimentação.
  • Investir intensivamente em processos formativos sequenciados em segurança viária para operadores da agenda de trânsito.
  • Garantir que nas formações, estude-se a segurança viária contemplando os marcadores sociais de gênero, sexo, raça/cor, idade, pobreza assim como pessoas com deficiência.
  • Incluir nos currículos de formação profissionais (engenharias, arquitetura e urbanismos, paisagismo, design etc.) conteúdos que qualifiquem o olhar bem como projetos alinhados com a segurança viária.
  • Trabalhar a comunicação direcionada aos gestores municipais demonstrando os bons resultados nos custos evitados com as intervenções em segurança viária.

Para ler todas as recomendações propostas por eixo, acesse o relatório completo aqui.

 

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *