Trending News

Notícias

Notícias

Sindicalista quer proibir venda de motos para quem não tiver CNH e diminuir acidentes 

Campo Grande registrou 53 vítimas fatais em acidentes de trânsito entre os meses de janeiro e julho deste ano, destes 32 foram motociclistas, conforme dados da Ciptran e Santa Casa. Sobre os altos números de mortes no trânsito, o presidente do Sinprome/MS (Sindicato Profissional dos Trabalhadores Condutores em Motocicletas, Entregadores e Autônomos Individuais Sobre Duas e/ou Três Rodas Motorizados ou Não) – Luis Carlos Escobar avalia que apenas uma lei específica de restrição à venda de motocicletas poderia ajudar, em curto prazo, na redução destes números. “Iremos propor à Câmara Municipal a criação de uma lei que proíba a venda de motos às pessoas inabilitadas.”, explica o Luis Carlos. Para ele, caso os bancos também exigissem a habilitação para a liberação de financiamentos, estes números seriam ainda menores. Conforme dados da Abrave (Associação Brasileira de Revendedores Autorizados de Veículos), entre os meses de janeiro e agosto, foram emplacadas 17.866 motocicletas apenas na Capital do Estado. O presidente do Sindicato avalia ainda que a ineficácia do transporte público é um dos principais fatores do aumento nas vendas de veículos. “Em Campo Grande o trabalhador leva mais de uma hora para chegar ao seu destino se usa ônibus, isto porque nossa cidade nem possui grandes distâncias como Rio e São Paulo. Com certeza ele vai procurar uma forma mais rápida e econômica como a motocicleta.”, aponta. Sobre os altos índices de acidentes, Luis Carlos avalia que os números são baixos entre os profissionais da categoria (motoentregadores e mototaxistas). “A maioria dos acidentes são entre os não-profissionais, que muitas vezes se quer possuem carteira”. OAB Para a advogada Ana Medeiros, presidente da Comissão Especial de Trânsito da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil), é necessário atacar este problema em várias frentes, sendo a educação como base e, em seguida, a fiscalização, penalização e engenharia de trânsito. Ana Medeiros aponta que, aliado a estes fatores, o processo de educação com os cursos nas escolas no ensino fundamental poderá ser um fator decisivo na melhoria do trânsito. “Falta limites da família, falta gentileza… Uma mudança prática somente será vista em 10 anos, quando as crianças de hoje, que estão em processo de aprendizado, aplicarão seus conhecimentos no trânsito.”. Para ela são três os maiores fatores de risco no trânsito: velocidade, álcool e motocicleta. Com relação aos números de mortes no trânsito em 2012, Ana aponta que “agosto com certeza irá superar janeiro no número de mortes”. A presidente da comissao avalia ainda que a legislação é branda e que o um projeto para mudança sobre penalização seria a forma mais prática de redução no número de acidentes. Década de Segurança Viária Ana Medeiros explica que Campo Grande faz parte de um planejamento, elaborado pela ONU (Organização das Nações Unidas) que planeja ações de segurança no trânsito para os próximos 10 anos. Estudos elaborados pela Organização Mundial de Saúde – OMS estabeleceu a década 2011-2020 como a Década de Ação para Segurança Viária, convocando todos os países signatários da Resolução, entre eles o Brasil, para desenvolver ações para a redução de 50% de mortes em 10 anos. O objetivo da década é estabilizar e em seguida reduzir em até 50% o número de mortos e feridos por consequência dos acidentes de trânsito. Ao final da campanha, espera-se alcançar novos patamares para a mobilidade das pessoas, que seja mais segura para todos aqueles que utilizam as vias e rodovias. A alternativa a esse chamamento é sombria: se nenhuma ação for tomada, na próxima década o número de mortos por acidentes de trânsito crescerá dos atuais 1,3 milhões anuais para 1,9 milhões em 2020. Semana de Trânsito Atualmente cerca de dois milhões de pessoas morrem por ano, vítimas da violência no trânsito, e o número de feridos é ainda mais alarmante. O Contran (Conselho Nacional de Trânsito) definiu o tema da Semana Nacional de Trânsito 2012 como: “Década Mundial de Ações para a Segurança do Trânsito – 2011/2020: Não exceda a Velocidade, Preserve a Vida”. A velocidade é tema inédito na semana nacional, e o principal foco é a conscientização de jovens entre 18 e 25 anos, considerados o grupo mais vulnerável e de maior exposição ao risco de acidentes de trânsito. A Semana Nacional de Trânsito será realizada entre os dias 18 e 25 de setembro. Durante os dias 18 a 30 de setembro acontece o ciclo de palestras online pelo site www.planetaead.com.br, uma parceria com o Centro de Educação a Distância da Universidade Anhanguera Uniderp. Entre os assuntos estão: a Violência no Trânsito: Causas e medidas de redução; a Municipalização do Trânsito: procedimentos e benefícios e o processo de formação do condutor e o papel do CFC. Fonte: Fatima News

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *