Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

13 de julho de 2024

Transportadores cobram agilidade em liberação total da BR-277, há 60 dias com interdições


Por Banda B Publicado 14/12/2022 às 11h50 Atualizado 16/03/2023 às 15h44
Ouvir: 00:00

Há exatos 60 dias, quem se desloca pela BR-277, ligação entre Curitiba e o litoral do Paraná, precisa ter muita paciência. A rodovia, que chegou a ser totalmente bloqueada após quedas de barreiras, está atualmente com fluxo parcial. Nesta quarta-feira (14), a Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar) cobrou agilidade do Governo Estadual e órgãos competentes para liberação total da pista. 

Foto: Rodrigo Felix Leal/SEIL.

O primeiro bloqueio na BR-277 aconteceu no dia 14 de outubro, depois que uma grande encosta caiu na Serra do Mar, na altura do km 42. Depois, houve outra situação no dia 29 de novembro, que chegou a interditar totalmente a rodovia, que atualmente está em pista simples.

Para a Fetranspar, entidade que representa mais de 20 mil empresas em todo o Paraná, os sedimentos que estão na rodovia, interditando-a parcialmente, são apenas a ponta do problema que não parece ter uma solução tão próxima.

“É necessário tratar o assunto com prioridade. O jogo de empurra entre órgãos responsáveis pela estrada e o próprio Governo Estadual é o que mais atrapalha. A rodovia já poderia estar em vias de liberação se esforços fossem somados”. 

analisa o coronel Sérgio Malucelli, presidente da Fetranspar

O coronel esteve no local do deslizamento no começo desta semana. Ele contou ter visto ainda um cenário desolador, mesmo depois de oito semanas do ocorrido.

“Ao que tudo indica, teremos movimentação recorde no Porto em 2023, com a chegada da safra de grãos no primeiro trimestre. A temporada de Verão bate a porta e certamente as chuvas da estação mais quente do ano não darão trégua. Temos um cenário bastante tenso para os próximos meses”.

comenta o coronel Sérgio Malucelli, presidente da Fetranspar

Ponto onde houve a queda de barreira, em novembro. Foto: Rodrigo Felix Leal/SEIL.

Segundo a Fetranspar, diariamente chegam relatos de transportadores que contam como está sendo viver esse período. A principal queixa está relacionada ao tempo de viagem entre Curitiba e litoral do Paraná, que aumentou em pelo menos 3 horas para quem desce com a carga e em média 4h para quem sobe para Curitiba. 

“Tempo é algo precioso no setor de transportes. Cargas que demoram a chegar ao destino são sinônimo de prejuízos”.

diz o coronel Sérgio Malucelli, presidente da Fetranspar

Segundo a Federação, o frete já sofreu reajuste médio de 20% devido a essa interdição. Malucelli destaca que, embora a BR-277 seja uma rodovia de responsabilidade hoje do Governo Federal, é preciso tratar a questão da interdição como algo interno. 

“É preciso que o governo estadual sente com os órgãos competentes e estude medidas plausíveis em conjunto, inclusive abrindo mão de recursos do Estado para solucionar o problema. Não se pode simplesmente delegar o fato para um órgão. É preciso trabalhar unido e fazer o impossível acontecer. Afinal, grande parte da economia do Estado passa por esse trecho de estrada, quanto mais tempo interditada, mais prejuízos a todos os paranaenses”.

analisa o coronel Sérgio Malucelli, presidente da Fetranspar

Foto: Rodrigo Felix Leal/SEIL.

O presidente da Fetranspar alerta ainda que é iminente que comerciantes do litoral do Paraná comecem a sentir no bolso os reflexos deste problema. 

“É claro que grande parte das famílias vão preferir outros destinos em vez de se aventurar em passar pela BR-277 rumo ao litoral neste verão. E isso é sinônimo de prejuízo para os comerciantes. Ainda há tempo do Governo Estadual executar plano emergencial, se isso não ocorrer, lá na frente não adianta culpar o clima ou as chuvas pelos prejuízos. Ainda dá para reverter o jogo e estancar essa sangria”.

desabafa o coronel Sérgio Malucelli, presidente da Fetranspar

A reportagem da Banda B procurou o DNIT, mas ainda aguarda contato.

Publicado primeiro por

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *