Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

18 de julho de 2024

Cuidados ajudam a prevenir problemas nos veículos


Por Talita Inaba Publicado 27/07/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h33
Ouvir: 00:00

Revisões básicas para que o veículo não comece a dar problemas com pouco tempo de uso devem ser feitas constantemente, orienta especialista em Belém. Em mais de 40 anos como taxista, Hélio já rodou muito pela cidade e sabe bem que algumas peças do carro se desgastam mais rápido do que o tempo indicado pelos fabricantes. A cada três meses ele troca o disco de embreagem do táxi e as pastilhas de freio são substituídas todo semestre. O mecânico Jorge Pinheiro explica que normalmente as pastilhas de freio devem ser substituídas a cada 30 mil quilômetros rodados, já o disco de embreagem, quando se atinge os 60 mil quilômetros, mas que devido ao solo e os congestionamentos na cidade, esta vida útil pode cair pela metade. Na oficina onde trabalha, concerta em médio oito carros, todos com problemas nos freios ou na embreagem. A manutenção frequente garante a segurança. O desgaste precoce das peças pode ser explicado muitas vezes pelo mau uso do carro. Orivaldo Conceição, técnico em mecânica, conta quais os principais “vícios” de direção do motorista. No sinal fechado, deixar o pé na embreagem diminui a vida útil das peças de embreagem e pode deixar o motorista sem conseguir engatar as marchas ou arrancar o carro. “O correto é puxar o freio de mão ou manter o pedal do freio acionado”, orienta Orivaldo. Descansar a mão na marcha é outro vicio incorreto e pode prejudicar as peças do trambulador, responsável por transmitir os movimentos da alavanca de troca de marchas para a caixa de câmbio. “O correto é manter as mãos no volante”, dá a dica. Até a maneira como o condutor freia pode impactar nas pastilhas e discos de freio. Parar bruscamente não é recomendado e é preciso manter no mínimo quatro metros de distância do veículo da frente. São práticas simples, que aliadas a revisão frequente do carro podem ajudar no bolso do motorista e no rendimento e vida longa do veículo.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *