Notícias

Moto

Dados preliminares de 2019 mostram queda no número de mortes no trânsito brasileiro 

Dados preliminares de 2019 mostram queda no número de mortes no trânsito brasileiro
Os motociclistas são as maiores vítimas do trânsito brasileiro. Foto: Arquivo Tecnodata.

Em 2019 ocorreram 30.371 mortes no trânsito brasileiro. Destas, 10.674 eram motociclistas e 83%  do sexo masculino.  Veja outras informações.

Dados oficiais de mortes no trânsito
Os motociclistas são as maiores vítimas do trânsito brasileiro. Foto: Arquivo Tecnodata.

Foram divulgados pelo Ministério da Saúde, os números preliminares de mortes por acidentes de trânsito no Brasil em 2019. Segundo os dados, morreram 30.371 pessoas em decorrência do trânsito brasileiro. O número é 7,5% menor que o registrado em 2018.

Essa tendência de queda vem se mostrando contínua e estável. Em 2017 foram 35.374 mortes, 7,7% a mais que em 2018. “Mesmo pequena, a queda é positiva de alguma forma. Ela reflete os esforços realizados desde 2011 com intervenções da Década Mundial de Ações para a Segurança Viária”, garante Eliane Pietsak, pedagoga e especialista em trânsito.

Perfil das vítimas

Conforme os dados do Ministério da Saúde, os motociclistas foram os que mais perderam a vida nas vias e rodovias do Brasil. Foram 10.674 mortos nessa condição. Em seguida estão os ocupantes de automóveis (6.640) e os pedestres (5.199). A faixa etária mais vulnerável, segundo os dados, está entre 20 e 29 anos.

No Brasil, para cada morte de motociclista, 18 outros ficam inválidos.

“Na grande maioria das vezes, os acidentes com motocicletas resultam, no mínimo, em lesões graves. Raros são os acidentes em que os motociclistas saem ilesos. Até mesmo uma queda, que a princípio pode parecer algo simples, traz graves consequências ao condutor, podendo até resultar em óbito”, explica Pietsak.

Conforme a especialista, é importante avaliar o motivo que faz com que os motociclistas sejam as grandes vítimas do trânsito. “Primeiro e mais óbvio é a questão de ser um veículo em que o condutor fica completamente exposto. Com isso, qualquer acidente tem consequências graves e sérias. Um segundo fator é a dificuldade de ser visto. A motocicleta pode, facilmente, se “perder” no ponto cego dos veículos e isso resultar em acidente”, argumenta Pietsak.

Ainda de acordo com as estatísticas, quase 83% das mortes são de cidadãos do sexo masculino. “Outra questão é o descuido de muitos condutores das motocicletas que pilotam de forma agressiva, acima da velocidade recomendada para as vias, ultrapassam de forma irregular e não praticam um dos principais conceitos da Direção Defensiva: ‘ver e ser visto’, colocando a sua própria vida em risco”, diz a especialista.

Além disso, de acordo com a especialista, no trânsito participam também condutores de outros veículos que “esquecem” o que diz o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). “Respeitadas as normas de circulação e conduta, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres. Muitos acreditam que tem mais direito de estar naquela via e acabam se envolvendo em acidentes onde, a principal vítima é o motociclista”, explica.

Diferente do ano passado, a região Nordeste foi a líder em número de mortes totais no trânsito brasileiro, ultrapassando a Região Sudeste, campeã em 2018.

A especialista afirma que a solução para a redução dos acidentes e mortes no trânsito é o respeito às normas estabelecidas.

“A empatia, a humanização do trânsito, ter em mente que o trânsito é um ambiente social e democrático onde todos tem o direito de estar e precisam de segurança para isso. Imaginar que no outro veículo ou um pedestre, poderia, muito facilmente, ser alguém de sua própria família. Tratar os demais como gostaríamos de ser tratados é uma máxima que vale para todos os momentos de nossas vidas e no trânsito ela deve ser aplicada sempre, disso pode depender a vida de outra pessoa. Nosso comportamento deveria ser sempre o mesmo, independente de leis”, conclui.

Por que os motociclistas são as grandes vítimas do trânsito brasileiro?

  • Todas as alternativas. (73%, 8 Votos)
  • Veículo em que o condutor fica completamente exposto. (18%, 2 Votos)
  • Mal comportamento do motociclista. (9%, 1 Votos)
  • Falta de formação adequada. (0%, 0 Votos)

Total de Participantes:: 11

Carregando ... Carregando ...

Artigos Recomendados Para Você

6 Comentários

  1. UCB – União de Ciclistas do Brasil » Ciclomobilidade e pandemia: novo cenário, renovados desafios

    […] ** Os dados disponíveis são díspares. Segundo a seguradora Líder, operadora do DPVAT, foram pagas 40.721 indenizações por morte em 2019, sendo que 29% eram pedestres (o que representa 11.809 pedestres (Aumenta o número de indenizações pagas por morte pelo DPVAT em 2019#). Já os dados preliminares do Ministério da Saúde, divulgados em agosto de 2020, informam a morte de 30.371 pessoas no trânsito em 2019, sendo que 5.199 eram pedestres (representando 14,69%) (Dados preliminares de 2019 mostram queda no número de mortes no trânsito brasileiro#).  […]

  2. Dirigir com segurança: 10 Dicas de transito - Mercado Space

    […] use o bom senso e obedeça às regras de trânsito e dirigir com segurança. Portanto, mais de  30.371 brasileiros perderam a vida em acidentes de carro no passado.  Além disso, 2019 foi o ano mais mortal nas […]

  3. Descubra como evitar acidentes de trânsito | Care

    […] dados divulgados pelo Ministério da Saúde, em 2019, os motociclistas foram as principais vítimas dos acidentes de trânsito. Foram […]

  4. Calendário de campanhas de saúde - Marketeiros

    […] PORTAL DO TRÂNSITOhttps://www.portaldotransito.com.br/noticias/dados-preliminares-de-2019-mostram-queda-no-numero-de-m… […]

  5. Direção Defensiva - Como pilotar sua moto para evitar acidentes

    […] reportagem do Portal do Trânsito, em 2019 ocorreram 30.371 mortes no trânsito brasileiro. Destas, 10.674 eram motociclistas e 83%  […]

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *