Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

15 de julho de 2024

Longe de atingir a meta da Década, número de mortes por acidentes de trânsito cai no Brasil


Por Mariana Czerwonka Publicado 06/06/2017 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h26
Ouvir: 00:00
Mortes no trânsito38.651 pessoas morreram no trânsito brasileiro em 2015. Foto: Arquivo Tecnodata.

Dados oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde mostram que em 2015, 38.651 pessoas morreram no trânsito brasileiro. Em 2014 foram registradas 43.780 mortes. Esses dados mostram uma queda de 11,7% de um ano para o outro.

Para o especialista Celso Alves Mariano, diretor do Portal do Trânsito e da Tecnodata Educacional, a redução é significativa. “Temos que comemorar a redução, porém 38.651 brasileiros perderam a vida no trânsito, e isso é motivo de preocupação e não de comemoração”, avalia Mariano.

Desde 2011 os dados ora caem, ora aumentam. De 2011 para 2012, houve um aumento de 3,6% no país (43.256 para 44.812). Já em 2013 a redução foi de 5,6% (42.266). Em 2014 os dados voltaram a subir, foram 43.780 mortes, ou seja, um aumento de 3,58%. Mariano espera que agora os números inaugurem uma tendência. “O dado é o mais confiável que temos, então tomara que o Brasil consiga diminuir os números, principalmente de mortalidade”, diz o especialista.

Ainda de acordo com o registro, a Região Sudeste é a líder em número de mortes. “O trânsito é um assunto muito grave e preocupante em diversos sentidos, pelo modo que nos comportamos como condutores e pedestres, como fazemos as nossas leis e como as fiscalizamos. Tudo isso gera uma dor e um prejuízo, que não é só financeiro, é social. A mudança de comportamento é uma questão que leva tempo e só ocorrerá com educação para o trânsito”, conclui Mariano.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *