Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Trânsito brasileiro já matou mais de 1,2 milhão de pessoas, alerta Valdir Raupp


Por Mariana Czerwonka Publicado 15/04/2016 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h38
Ouvir: 00:00
Trânsito brasileiroO senador pediu uma atuação mais efetiva do governo federal e da sociedade como um todo em relação à enorme tragédia que é o trânsito brasileiro.

Em pronunciamento no plenário do Senado, o senador Valdir Raupp (PMDB-RO) pediu uma atuação mais efetiva do governo federal e da sociedade como um todo em relação à enorme tragédia que é o trânsito brasileiro.

O senador defende que o governo federal estabeleça metas efetivas relacionadas à duplicação das rodovias em auto-estradas, mais fiscalização em relação ao uso de bebidas alcoólicas por parte dos condutores e ao controle de velocidade dos veículos.

Ele ainda defende o incremento da infraestrutura priorizando estradas mais seguras e a adoção de políticas que levem também à fabricação de veículos mais seguros por parte das montadoras.

Raupp lembra que desde 1980, segundo números oficiais, mais de 1,2 milhão de brasileiros morreram em acidentes além de 24 milhões terem ficado feridos, muitos deles com sequelas graves para o resto da vida.

— É possível acabar com esta tragédia. A União Européia diminuiu de 117 mortes a cada 1 milhão de habitantes no ano 2000, para 51 mortes hoje na mesma proporção — lembra Raupp, tendo como base a adoção de políticas de prevenção, conscientização e melhoria da infraestrutura naquele continente.

Ele também lamentou a repetição de números trágicos durante o feriado da Páscoa na BR-364, a principal de Rondônia, apelidada pelos próprios rondonienses como “a rodovia da morte”.

Com informações da Agência Senado

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *