Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

PL da deputada Christiane Yared aumenta pena para crimes de trânsito


Por Mariana Czerwonka Publicado 01/07/2015 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h49
Ouvir: 00:00

Crimes de trânsitoA história dela é conhecida. Agora, como deputada federal, Christiane Yared quer transformar a sua luta no fim da impunidade no trânsito.

Logo após sua posse com deputada federal, em fevereiro de 2015, Christiane Yared redigiu o PL 758/2015 com o intuito de alterar a redação dos artigos 302 e 303, da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que dispõem sobre os crimes de homicídio e lesão corporal praticados na direção de veículo automotor, conferindo tratamento penal adequado aos referidos crimes quando praticados com dolo (direto ou indireto) ou culpa.

Para a deputada, o Brasil é um dos campeões mundiais de acidentes de trânsito e, se nada for feito, essa realidade tende a piorar. “São aproximadamente 110 mortos por dia e quase 500 feridos por dia em acidentes de trânsito. Esses números assombrosos indicam a necessidade impreterível do Poder Público adotar medidas urgentes em diversas áreas como educação, engenharia de tráfego, inclusão de itens de segurança nos veículos, fiscalização, sanção, dentre outras para minimizar o número de acidentes”, relata a deputada em seu Projeto.

De acordo com o texto do PL, praticar homicídio na direção do veículo passaria a ter uma pena de reclusão de até vinte anos e se o homicídio for culposo, a pena poderia variar de quatro a doze anos de reclusão. “Infelizmente não é incomum pessoas utilizarem seus veículos como armas para matar ou ferir projetando-se de propósito sobre uma ou mais pessoas. Esses covardes praticam seus crimes sob a proteção de imponentes couraças de aço que, inclusive, retiram da vítima qualquer possibilidade de reação, haja vista a força e a velocidade que desenvolvem. Assim, é necessário que a Lei Especial de Trânsito reconheça a existência desse crime e que lhe confira o tratamento penal adequado, considerando as circunstâncias que o envolve”, reforça a deputada.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *