Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

12 de julho de 2024

Jovens são as maiores vítimas fatais de acidentes de trânsito no mundo

Dados da ONU apontam que a cada 24 segundos uma pessoa morre nas estradas e esta já é a maior causa de morte de pessoas de 5 a 29 anos no mundo.


Por Agência de Notícias Publicado 27/11/2022 às 08h15
Ouvir: 00:00
Jovens são vítimas fatais do trânsito.
Especialistas avaliam que o custo das mortes de jovens no trânsito é grande, tanto pelas vidas quanto pelo impacto no sistema de saúde. Foto: Divulgação Detran/RJ.

Desde 2004, a Organização das Nações Unidas (ONU) alerta para o aumento crescente de jovens vítimas fatais do trânsito no mundo. E a situação ainda não mudou. Dados da entidade apontam que a cada 24 segundos uma pessoa morre nas estradas e esta já é a maior causa de morte de pessoas de 5 a 29 anos no mundo e 90% desses óbitos acontecem em países de renda baixa e média.

No Brasil os números também são preocupantes.

Especialistas avaliam que o custo é grande, tanto pelas vidas quanto pelo impacto no sistema de saúde. Fernando Diniz é pai de Fabrício Diniz morto em 2003 aos 20 anos. Conforme Diniz, Fabrício não dirigia e era carona no carro de um motorista que havia ingerido bebida alcoólica. Fernando é presidente da ONG Trânsito Amigo, entidade que teve papel decisivo na aprovação da Lei 11.705/08, conhecida popularmente como Lei Seca.

“E eu pergunto até quando nós vamos ver os jovens morrendo principalmente na idade mais produtiva que é dos 18 até os 39 anos? As pessoas tem que ter consciência que dirigir de forma irresponsável tira a vida e pode tirar a sua própria vida. Agora ledo engano das pessoas que pensam que só o álcool que tira as vidas no trânsito. Já está provado que as drogas matam muito mais do que o álcool”, explica Diniz.

No Rio de Janeiro um levantamento do DETRAN mostra que o número de vítimas no trânsito do estado também é maior entre os mais jovens. Ou seja, de janeiro a setembro deste ano foram mais de 4 mil óbitos de pessoas entre 18 e 29 anos.

Nesse sentido, Renato Dias, presidente da Associação Brasileira de Toxicologia, alerta para importância do exame toxicológico obrigatório desde março de 2016 para condutores das categorias C, D e E.

“Já há um clamor da sociedade pra que esses exames passem a ser exigidos das demais categorias principalmente para categoria A e B que exerce atividade remunerada. Importante também dizer que seria uma ferramenta importante ao tirar a primeira habilitação ser exigido também esse exame”, argumenta Dias.

O exame identifica a presença de substâncias psicoativas que se depositam os fios de cabelo ou pelos do corpo um período mínimo de noventa dias até seis meses.

As informações são da Agência Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *