Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

América Latina: Brasil é líder no uso de apps de entregas e transporte


Por Pauline Machado Publicado 01/09/2022 às 16h30 Atualizado 08/11/2022 às 21h04
Ouvir: 00:00

Dados apontam que cidades brasileiras são as que lideram o percentual de pessoas que mais usam apps de entregas e transporte.

A startup Loft realizou um levantamento nas cidades de Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP) e identificou em toda América Latina, os respectivos moradores que mais utilizam aplicativos – ou apps – de entregas e transporte.

Os dados apontam que as cidades brasileiras são as que lideram o percentual de pessoas que mais usam transporte por aplicativo para mobilidade.

Dentre elas, Belo Horizonte, em Minas Gerais, aparece em primeiro lugar com 54%, seguida por São Paulo e Rio de Janeiro quase empatadas, com 45% e 44% respectivamente.

Fábio Takahashi, gerente de dados da Loft, salienta que em Caracas, na Venezuela, apenas 12% da população usa o serviço de apps de entregas e transporte com frequência, ocupando a última posição do ranking neste quesito.

“É sabido que as capitais possuem melhores condições de conectividade. Apesar de não termos feito a pesquisa comparativa com as cidades menores, faz sentido que a maior conectividade em grandes cidades permita que as pessoas utilizem mais serviços nelas”, evidencia.


Leia também:

Apps de mobilidade: brasileiros preferem mais do que o próprio carro 

Aplicabilidade da tecnologia no trânsito

O estudo identificou ainda que, do ponto de vista da percepção, os moradores de Belo Horizonte (56%), Rio de Janeiro (48%) e São Paulo (47%) são os que mais acreditam que a tecnologia ajuda a melhorar o trânsito nas cidades. Sendo maior entre as classes A e B (54%), enquanto 42% se encontram na classe C. “Quisemos focar mais em quanto os latino-americanos usam aplicativos para melhorar a sua vida cotidiana. O quanto as pessoas veem um aplicativo como forma de melhorar, por exemplo, a sua locomoção nas cidades. Ou, ainda, como receber entregas em casa”, esclarece o executivo.

Aplicativos de indicação de trajeto

Além de todas essas avaliações, o estudo da Loft também mediu o comportamento dos usuários que consultam aplicativos de indicação de trajeto. Seja por transporte público ou a pé.

De acordo com a pesquisa, essa informação é acessada com maior frequência pela classe C. Seguida pelas classes A e B, com 58% e 48%, na devida ordem.

A mineira Belo Horizonte segue em primeiro lugar, onde 52% da população consulta sempre ou quase sempre itinerários de transporte público por meio de aplicativos. É a capital cuja população mais consulta trajetos e itinerários de transporte público via app. São Paulo e Buenos Aires vêm na sequência, com 44% e 41%, respectivamente.

O levantamento ressaltou, também, o quanto a facilidade de acesso à tecnologia contribui para que mais pessoas possam fazer pesquisas de maneiras mais precisas sobre como se locomover a pé. Os índices apresentados foram os seguintes: Cidade do México (48%), Guadalajara (40%) e Buenos Aires (36%) lideram. Em seguida estão Belo Horizonte (35%), São Paulo (34%) e Rio de Janeiro (30%).

De acordo com o gerente de dados da Loft, tais dados comprovam a avaliação de que a população compreende que a tecnologia auxilia em atividades já feitas antes. É o caso, por exemplo, do uso do transporte público.

“Ônibus e metrô são anteriores aos smartphones. Percebemos que as pessoas já fazem consultas antes de sair de casa. Usam para se programar, ganhar tempo e melhorar sua programação”.

Por outro lado, o aluguel de bicicletas via aplicativo tem uma incidência substancialmente menor. Sendo usado sempre, ou quase sempre, por apenas 9% dos paulistanos. E em Belo Horizonte e na Cidade do México, por 8% e 7% da população, nesta sequência.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *