Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

Artigo – 2 bilhões de carros


Por Artigo Publicado 16/08/2022 às 21h30 Atualizado 08/11/2022 às 21h05
Ouvir: 00:00

No artigo de hoje, J. Pedro Corrêa aborda o futuro do trânsito com o mundo chegando a 2 bilhões de carros em 2050 e o Brasil negligenciando ações de educação cívica à sociedade. 

Estimativas de entidades internacionais informam que a frota de carros em circulação pelo mundo gira em torno de 1.4 bilhão de veículos. Em 2050, se o atual patamar de crescimento continuar no ritmo atual, este número saltará para 2 bilhões de carros. Se hoje em dia, já dizemos que o trânsito está insuportável, imaginem como será com 50% de veículos a mais!

Quando falamos de números mundiais, ficamos impressionados pelo seu tamanho, mas não damos tanta atenção a eles talvez porque pareçam estar fora do nosso alcance ou pelo menos longe da nossa capacidade de intervir ou corrigir. Contudo, se tivéssemos melhor consciência ambiental do que este 2 bilhões de carros representa, certamente pensaríamos diferente e com certeza reagiríamos de outra forma. A sensação que passa é como se estivéssemos rumando para um precipício e não déssemos a menor importância para isto.

Para tentar puxar a conversa para mais perto, pego o exemplo bem próximo de mim: moro em Curitiba que, hoje, tem cerca de 2 milhões de habitantes com mais de 1.600.000 veículos.

Em 2030, incluindo os municípios da região metropolitana de Curitiba, seremos mais de 4 milhões de pessoas. Com o crescimento normal da frota de veículos estima-se que cerca de 3 milhões de carros estarão rodando pela região, o que dá uma ideia do quanto isto afetará a qualidade de vida da população. Imaginem os congestionamentos, poluição sonora, ambiental e o número de sinistros de trânsito.

Você dirá que até o fim da década já teremos veículos elétricos, veículos autônomos e mais um tanto de tecnologias ao serviço da segurança e do meio ambiente. É verdade, mas não podemos esquecer que não somos um povo educado. Nem com bom comportamento no trânsito, muito menos atento aos perigos ambientais e de segurança. E, o pior, sem sinais de mudança de comportamento. A julgar pela indiferença atual das nossas lideranças em relação ao trânsito enfrentaremos difíceis momentos no trânsito, ainda.

Para dar um exemplo, na semana passada fomos surpreendidos por mais um fato que promete deteriorar o já debilitado sistema de segurança no nosso trânsito.

Uma medida provisória, aprovada na Câmara Federal, cujo objetivo seria ajudar a renovar a frota de caminhões, acaba com a fiscalização da jornada dos caminhoneiros, o que tem tudo para contribuir para o aumento dos sinistros nas rodovias. Embora não seja fiscalizado como deve, o controle de horas ao volante dos caminhoneiros significa, pelo menos, um aviso que este abuso pode ser punido. Sem a fiscalização…

O que me chama a atenção é o pouco cuidado, a negligência das lideranças em não prover, em não estimular a educação da sociedade para enxergar estes problemas. Além disso, não incentivá-la a se precaver com cuidados básicos, simples de serem adotados e de eficácia comprovada.

Isto custará muito caro ao povo brasileiro mais à frente, quando a conta for apresentada.

Quando falo de descuido de autoridades me refiro a toda a administração e não apenas de governos em qualquer nível. Penso nos que lideram entidades de classe, chefes de empresas de qualquer porte, líderes comunitários e sociais, enfim, em todos que comandam segmentos da sociedade e que deveriam estar muito mais atentos aos problemas sociais, econômicos, ambientais deste país. Parece que todos ficam na espera de que o governo, primeiro, tome providências como se eles não devessem começar dentro de casa.

É surpreendente que em pleno século 21, com tantos avanços em todos os campos do desenvolvimento humano, com novas tecnologias chegando a cada hora, ainda fiquemos na dependência de governos para tomar certas providências. Se este é um problema, visto numa perspectiva nacional, julgo vital no plano municipal que é onde as coisas realmente acontecem. Falta atenção, cuidado, às lideranças municipais.

Em 1979, quando visitei a Suécia pela primeira vez, me surpreendi vendo uma campanha de educação de trânsito ensinando motoristas a dar o pisca-alerta.

Passando por Londres, vi a BBC ensinar às donas de casa, pela televisão, a só abrir a geladeira quando houver vários produtos para guardar nela. Dessa forma, economizando energia e protegendo o meio ambiente. Se eu vi, tenho certeza de que muitos daqueles que nos governaram e nos governam hoje também viram. Além disso, perceberam o quanto precisamos levar a sociedade aos bons costumes. Assim deve ser no trânsito também.

Todos somos unânimes. Quando viajamos para fora, aplaudimos a organização, o respeito no trânsito em países adiantados. No entanto, ao regressarmos ao Brasil voltamos a ser rapidamente aqueles mesmos brasileiros que estávamos acostumados a ser. O que impede nossas autoridades de montar um plano de longo prazo de educação cívica de trânsito para desconstruir aquele sistema arcaico e de altíssimo custo por um modelo moderno, cívico, respeitoso e que só nos venha a nos encher de orgulho? De novo, a vontade política!

* J. Pedro Corrêa é consultor em programas de segurança no trânsito.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *