Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

24 de julho de 2024

Dia Mundial em Memória das Vítimas do Trânsito completa 25 anos


Por Mariana Czerwonka Publicado 15/11/2020 às 11h12 Atualizado 08/11/2022 às 21h39
Ouvir: 00:00

Entre os objetivos das ações está ajudar a sociedade a se lembrar de todas as pessoas mortas e gravemente feridas nas estradas.

Paula Batista – 

Assessoria de Imprensa Perkons

Dia Mundial em Memória às Vítimas do TrânsitoPedestres, ciclistas e motociclistas são os usuários mais vulneráveis das vias. Foto: Banco Mundial/Simone D. McCourtie.

Há 25 anos, um dia dedicado a lembrar as vítimas do trânsito começou a ser observado internacionalmente. Nos primeiros dez anos pela Federação Europeia de Vítimas do Trânsito Rodoviário (FEVR) e suas várias organizações membros, incluindo RoadPeace (Reino Unido), que introduziu o dia em 1995. Com forte apoio da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do UNRSC, os Estados Membros da ONU convocaram em 2005 o Dia Mundial em Memória das Vítimas do Trânsito, no terceiro domingo do mês de novembro, como um “reconhecimento apropriado para vítimas de acidentes de trânsito e suas famílias”.

Os objetivos das ações em 2020 são ajudar a sociedade a se lembrar de todas as pessoas mortas e gravemente feridas nas estradas, além de reconhecer o trabalho crucial dos serviços de emergência, chamar a atenção para a resposta legal, geralmente aquém às mortes e ferimentos culposos nas estradas, bem como advogar por um melhor apoio às vítimas de trânsito e às famílias das vítimas, promovendo ações baseadas em evidências para prevenir e, eventualmente, impedir mais mortes e ferimentos no trânsito.

Os acidentes de trânsito matam mais 1,3 milhão de pessoas a cada ano.

De acordo com as Nações Unidas, o risco de morte nas ruas e estradas continua sendo três vezes maior nos países de baixa renda do que nos países de alta renda e esses acidentes são a principal causa de morte entre jovens com idades entre 15 e 29 anos.

Quase metade das mortes no trânsito ocorre entre pedestres, ciclistas e motociclistas. O chefe da ONU destacou, no Relatório Mundial sobre a Situação da Segurança no Trânsito 2018, que “salvar vidas melhorando a segurança no trânsito é um dos vários objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”.

Ele fez um apelo para que todos “se unam para enfrentar a crise global de segurança no trânsito”.

Ações no Brasil

Com o intuito de discutir, alertar e conscientizar sobre a importância de comportamentos seguros no trânsito, o Observatório de Segurança Viária de Fortaleza (OSV) decidiu gravar uma série de podcasts, chamado “Transitando”, que podem ser ouvidos no Spotify e no Google Podcast.

Os episódios têm temas variados, mas todos envolvendo segurança viária. O primeiro: “O que é Segurança Viária e o que eu tenho a ver com isso?”, é uma espécie de introdução sobre o conceito de segurança viária e como o tema está presente no cotidiano da população.

Segundo o especialista em trânsito e diretor da Perkons, Luiz Gustavo Campos, para resultados efetivos de redução de acidentes e mortes são necessárias ações integradas de engenharia, educação e fiscalização, através do uso adequado da sinalização e de equipamentos medidores de velocidade. “Tecnologias para a segurança no trânsito devem ser entendidas como um meio de proporcionar melhor qualidade de vida para as pessoas. A cada lombada eletrônica instalada, evita-se 3 mortes e 34 acidentes por ano. Precisamos nos conscientizar como sociedade que nenhuma vida perdida no trânsito é aceitável e que só esforço somado vai reduzir os números dessa violência”, conclui.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *