Notícias

Notícias

Mortes de idosos impulsionam demanda por carros automáticos 

Morte de idosos

Considerando que até 90% dos acidentes de trânsito são causados por erro humano, uma vantagem fundamental dos veículos autônomos é ampliar a segurança

Os veículos com piloto automático que estão sendo planejados pela Google Inc. e por fabricantes globais de carros podem ajudar a contrabalançar a demanda decrescente dos clientes jovens recorrendo à população de mais rápido crescimento dentre os maiores mercados de automóveis do mundo: os idosos.

À medida que os baby boomers envelhecem em mercados como EUA e Japão, um número crescente de motoristas mais velhos mortos ou machucados em acidentes pode aumentar a demanda por veículos autônomos.

Considerando que até 90% dos acidentes de trânsito são causados por erro humano, uma vantagem fundamental da tecnologia é ampliar a segurança, disseram executivos de fabricantes de carros como General Motors Co. e Toyota Motor Corp. em uma conferência do setor em Tóquio na semana passada.

“Os idosos são frequentemente considerados vítimas dos acidentes de trânsito”, disse Moritaka Yoshida, diretor-geral e diretor de tecnologia de segurança da Toyota, neste mês, após a empresa anunciar planos para sistemas de direção automatizada. “No entanto, recentemente um crescente número de acidentes é causado por motoristas idosos”.

O Japão, o país entre as grandes economias do mundo com mais rápido envelhecimento e o terceiro maior mercado para automóveis, está na dianteira da tendência de acidentes: das 4.411 pessoas que morreram no trânsito no país no ano passado, mais da metade, ou 2.264, tinham 65 anos de idade ou mais, segundo dados da Agência Nacional de Polícia.

“As tecnologias de piloto automático e a direção autônoma definitivamente ajudarão a estimular a demanda entre os mais velhos assegurando-lhes que dirigir pode ser muito seguro”, disse Zhou Lei, gerente sênior e consultor da indústria de automóveis da Deloitte Tohmatsu Consulting Co. em Tóquio, em entrevista por telefone.

“O que está acontecendo no Japão ocorrerá também nos EUA e especialmente em países emergentes como a China, e a demanda será enorme”.

‘Ponto de inflexão’

Os fabricantes de carros estão introduzindo gradualmente sistemas de direção automatizada que podem, em último caso, levar a veículos com piloto automático. A Google, com sede em Mountain View, Califórnia, operadora da maior ferramenta de busca na internet, tem testado carros sem motorista nos EUA.

A Toyota, a maior fabricante de carros do mundo, disse em 10 de outubro que dentro de dois anos introduzirá sistemas que possibilitarão que os carros se comuniquem para evitar colisões. A GM, com sede em Detroit, maior fabricante de carros dos EUA, está planejando para 2020 veículos que serão capazes de conduzir a si mesmos em rodovias de acesso controlado.

A Nissan, segunda maior fabricante de carros do Japão, disse no mês passado que obteve uma permissão para testar carros autônomos em vias públicas no Japão. A empresa com sede em Yokohama planeja introduzir veículos com piloto automático até 2020.

‘‘A condução autônoma pode ser de muita ajuda para pessoas que têm deficiências físicas ou para idosos”, disse Mitsuhiko Yamashita, vice-presidente-executivo da Nissan, no Congresso Mundial de Sistemas de Transporte Inteligente, na semana passada, em Tóquio.

Mais frágil

A crescente proporção de acidentes envolvendo idosos pode ter mais a ver com o envelhecimento populacional do que a habilidade para dirigir. Pessoas com 65 anos ou mais representam 16 por cento dos motoristas licenciados e 17 por cento das 32.367 mortes no trânsito nos EUA em 2011, disse em abril a Administração de Segurança do Tráfego em Rodovias Nacionais. O total de mortes no trânsito, incluindo aquelas entre idosos, caiu 25 por cento em relação aos 43.005 acidentes fatais de 2002.

Investir em motoristas mais velhos está se tornando mais importante para as fabricantes de carros não apenas porque a população de idosos está aumentando, mas também porque os mais jovens compram menos veículos.

“A geração mais jovem não tem muito interesse em dirigir”, disse Peter Sweatman, diretor do Instituto de Pesquisas em Transporte da Universidade de Michigan, em entrevista no Congresso Mundial ITS. “É uma espécie de ponto de inflexão” para a indústria automobilística, disse ele.

Klaus Kompass, vice-presidente de segurança da fabricante de carros de luxo Bayerische Motoren Werke AG, a BMW, com sede em Munique, disse que a automação total não acontecerá antes de 2025. Ele também alertou a respeito de expectativas altas, mas irrealistas, a respeito de melhorias de segurança. “Nós estamos sempre falando que ‘80 por cento ou 90 por cento dos acidentes são causados por erro humano’”, disse Kompass. “Ninguém está falando, surpreendentemente, sobre todos os acidentes que os motoristas humanos evitaram”.

Kazunobu Nagaoka, pesquisador do Instituto de Pesquisas de Acidentes de Trânsito e Análise de Dados, com sede em Tóquio, disse que embora seja impossível eliminar completamente os acidentes, as mortes no trânsito podem se tornar coisa do passado. “Zerar as mortes é, definitivamente, uma meta viável” no Japão, disse ele. “Eu espero que tornemos isso realidade em torno de 2035”.

Fonte: Revista Exame

Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']