Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

16 de julho de 2024

O tacógrafo está em dia?


Por Mariana Czerwonka Publicado 29/06/2014 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h09
Ouvir: 00:00

Tacógrafo no caminhãoIrregularidades no tacógrafo podem gerar multas a partir de R$ 800

Conhecido como a “caixa preta” dos transportes rodoviários, o cronotacógrafo, ou tacógrafo, registra todas as informações de rota de um veículo, quando está em perfeitas condições de uso. É simples manter tudo em dia e evita multas a partir de R$ 863,70, segundo o Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Ceará (Inmetro/Ipem), órgão responsável pela fiscalização dos equipamentos.

“Fazemos blitze em parceria com a Polícia Rodoviária Estadual e Federal para verificar se os veículos estão regulares com o selo de validade do equipamento com o intuito de aumentar a segurança nas estradas”, explica Luiz Albuquerque Sampaio, agente fiscalizador do Ipem.

Em Fortaleza, segundo o agente, são realizadas blitze semanais nas rodovias. “São feitas cerca de 150 abordagens. Desse total, em torno de 10% dos veículos estão irregulares. Quem decide os valores é nosso setor jurídico, as multas podem chegar a valores elevados”.

Além da multa, o condutor pode ficar sem autorização para transportar, enquanto não regularizar a vistoria do equipamento. O agente fiscalizador pode verificar com facilidade se o veículo está regular, apenas tendo os dados da placa.

O tacógrafo é obrigatório para veículos de transporte de cargas, de passageiros e escolar – com mais de dez lugares – e que tenham peso superior a 4.536 kg, conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

A gerente da Prime Tacógrafos, empresa especializada em manutenção do equipamento, Cinthia Holanda orienta como regularizar o aparelho. “O condutor deve pagar a Guia de Recolhimento da União (GRU), ir a um posto de selagem e ensaio credenciado pelo Inmetro para ser emitido o certificado com validade de dois anos. O gasto é em torno de R$ 220”.

No posto de ensaio, o veículo faz o “teste de rolo”, que registra a velocidade e o tempo da rodagem. “Com o tacógrafo é possível identificar todas as informações necessárias sobre a viagem, como a velocidade, freadas bruscas e pausas para descanso, além de permitir a elaboração de laudos técnicos em caso de acidentes”.

Na internet

No site do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) é possível verificar informações sobre o tacógrafo, ver a lista de oficinas de manutenção e postos de ensaios credenciados. Além de imprimir a Guia de Recolhimento da União (GRU) e fazer consultas sobre a situação do veículo.

Fonte: O Povo

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *