Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de julho de 2024

Síndrome aumenta em 6 vezes chances de acidente no trânsito


Por Mariana Czerwonka Publicado 01/03/2014 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h18
Ouvir: 00:00

Disturbio do sono pode causar acidente no trânsito

Conhecida como Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono, condição afeta um em cada 20 motoristas; tratamento é simples e eficaz

Um em cada 20 motoristas sofre de um distúrbio de sono que aumenta consideravelmente as chances de apagarem ao volante. Segundo um estudo de uma empresa especializada em transportes, somente na Inglaterra 1,4 milhões de motoristas oferecem graves riscos a si mesmos e aos outros devido a Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono. Pior ainda, a doença é responsável por um em cada cinco acidentes de trânsito, número que tende a aumentar devido ao crescimento da obesidade e do sedentarismo. As informações são do site Daily Mail.

Os pesquisadores concluíram que os motoristas que têm a síndrome tiveram a performance comparada a de condutores alcoolizados durante testes nos simuladores. “Estes motoristas que têm o problema, mas não se tratam, tem seis vezes mais chances de sofrerem um acidente de carro”, explica o responsável pela pesquisa.

Segundo ele, a síndrome é uma séria condição em que os músculos da garganta relaxam tanto durante o sono que obstruem a passagem de ar, causando a falta dele e consequentemente o despertar repentino e brusco para voltar a respirar.

Geralmente, as pessoas desconhecem que têm o problema, que pode acontecer centenas de vezes durante a noite. Entre os sintomas estão a sonolência durante o dia, aumento do ronco, sensação de asfixia, sono agitado e dificuldades de concentração.

O diagnóstico geralmente é simples, o tratamento é bastante eficaz e se baseia em dormir com dispositivos de pressão que mantem as vias aéreas abertas. “Tipicamente, as pessoas que sofrem com isso são obesos e têm uma quantidade extra de gordura na região do pescoço que coloca ainda mais pressão na garganta”, explica o professor John Stradling.

Fonte: Terra Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *