Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

13 de julho de 2024

Só 45% da frota usa álcool


Por Mariana Czerwonka Publicado 26/05/2011 às 03h00 Atualizado 10/11/2022 às 18h51
Ouvir: 00:00

Enquanto a indústria automobilística bate seguidos recordes de venda, o consumo de etanol não acompanhou a evolução do mercado. Há três anos, antes da crise de 2008, cerca de 60% dos carros com motor flex eram abastecidos com etanol. Hoje, o percentual foi reduzido para 45% e corre o risco de baixar para 37% até 2020, caso os investimentos não sejam retomados. Os dados são da União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), que afirma que o ideal seria usar o etanol em dois terços (66%) da frota bicombusível. “O carro novo foi para a rua e quem fabrica o etanol não teve fôlego para acompanhar. Faltou dinheiro para os investimentos”, diz o representante da Unica em Ribeirão Preto (SP), Sérgio Prado. A cidade paulista é o maior polo nacional do setor. O que afasta o consumidor do combustível limpo é o preço. Com menos oferta, o preço sobe e derruba a competitividade, já que para valer a pena o etanol tem que custar até 70% do preço cobrado pelo litro da gasolina. Foi o que aconteceu na última entressafra, quando o consumo despencou e o etanol chegou a representar apenas 5% das vendas em alguns postos. O professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/Usp), Marcos Fava Neves, diz que se não forem retomados os investimentos, o cenário de preços altos tende a se repetir nos próximos anos. “Com certeza é o que vai acontecer”, afirma. Sérgio Prado, da Unica, diz que outro fator que influencia o consumo é que o preço da gasolina é controlado pela Petrobras e não flutua de acordo com as variações do mercado, ao contrário do etanol. Estoque. A formação de estoque regulador é uma das alternativas para evitar a elevação brusca dos preços na entressafra. A medida tem que ser adotada pelas distribuidoras, defende a Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig). Fonte: O Tempo

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *