Notícias

Notícias

As 10 cidades mais resilientes do planeta 

A atual edição da revista canadense Corporate Knights, que traz sempre artigos com um enfoque original sobre sustentabilidade corporativa, traz um artigo sobre as dez cidades mais resilientes do mundo. Entenda-se por cidade resiliente aquela empenhada em retornar a seu estado de equilíbrio ecológico após passar por intenso processo de urbanização. Neste ranking, a cidade de Curitiba foi a única brasileira a aparecer. Pesou na escolha do empresário e escritor Boyd Cohen (que juntamente com um dos papas da sustentabilidade, Hunter Lovins, escreveu o livro “Climate Capitalism”) o fato dos governantes da cidade terem dado os primeiros passos na direção de uma urbanização verde há cerca de 40 anos. Em Curitiba foi implementado o primeiro sistema de ônibus de transporte rápido do mundo, com ônibus biarticulados que circulam por corredores exclusivos e param em estações fixas, e os ligeirinhos, que também param apenas em pontos determinados. Por ser antigo, porém, o sistema já começa a pedir uma atualização. Os biarticulados trafegam superlotados nos horários de pico, como em qualquer cidade. Os ligeirinhos utilizam as mesmas vias que os carros – ou seja, com o aumento de automóveis nas ruas, este tipo de transporte se torna mais lento. Ainda assim, o modelo curitibano serve de inspiração para cidades brasileiras que oferecem aos cidadãos somente o tradicional “busão”. Para elencar as dez cidades mais resilientes do mundo, Cohen considerou aquelas com mais de 600 mil habitantes e adotou uma série de filtros: comprometimento político, densidade populacional, trânsito, uso de energias renováveis, emissões de CO², mitigação de efeitos climáticos, planos de adaptação e extensão territorial de parques. Abaixo, as campeãs: 1 – Copenhague, Dinamarca – 40% dos cidadãos vão para o trabalho de bicicleta. Foi a única cidade a obter a pontuação máxima no quesito “comprometimento político”. Juntamente com Curitiba, é a cidade com a menor emissão de CO² per capita. 2 – Curitiba, Brasil – Além dos atributos já mencionados, foi considerado também o plano de prevenção contra enchentes implementado na cidade na década de 70, por meio da criação de parques ao longo dos rios e canais do município. 3 – Barcelona, Espanha – Um percentual pequeno de energia renovável abastece a cidade, mas chama a atenção seu empenho em difundir o uso de energia solar. A administração municipal estabeleceu que todas as novas residências ou reformas devem incluir algum sistema de aquecimento solar – geralmente, para a água. 4 – Estocolmo, Suécia – A cidade se destacou pelo comprometimento político e pela quantidade de áreas verdes, mas ficou atrás de Paris quando avaliada a extensão da rede de transporte por trilhos per capita. Sua meta de redução de gases de efeito estufa é a segunda mais drástica. 5 – Vancouver, Canadá – A cidade teve a maior pontuação dentre todas as cidades norte-americanas. Assim como São Francisco, a São Francisco pretende reduzir suas emissões em 80% até 2050, em relação a 1990. Noventa por cento da energia da cidade provém de fonte renovável e há investimentos para que ela tenha seu próprio sistema distrital de energia. 6 – Paris, França – Além de ser signatária de uma série de pactos internacionais, Paris também obteve a maior pontuação na categoria “extensão de transporte por trilhos por habitante”. É uma das poucas cidades do estudo que tem um projeto de adaptação em curso: mais de 100 mil árvores foram plantadas e outras 20 mil recobrem os telhados da cidade. 7 – São Francisco, Estados Unidos – No ranking de Cohen, a cidade mantém a posição número 1 no país. O comprometimento político e a meta agressiva de, como Vancouver, reduzir em 80% suas emissões até 2050 (1990 como referência), angariaram pontos para a cidade. Ações para expandir o uso de energia solar também contaram. 8 – Nova York, Estados Unidos – O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, tem sido um bom advogado da causa de tornar a cidade mais sustentável. Extensão da rede de transporte por trilhos (metrô) e das áreas de parques colocaram a metrópole entre as dez mais resilientes. 9 – Londres, Inglaterra- Uma série de medidas de adaptação na cidade fizeram com que ela fosse incluída na lista. A criação da “zona de congestionamento” na cidade, que diminuiu o trânsito de carros e aumentou o de transporte público e a implementação da segunda maior barreira móvel contra enchentes do mundo foram medidas valorizadas pelo especialista. 10 – Tokio, Japão – A única cidade asiática do ranking tem no seu plano de ação contra mudanças climáticas um de seus pontos fortes. Precisa investir mais em energias renováveis e áreas públicas verdes. Por outro lado, o forte apoio à iniciativa privada para a inovação em tecnologias limpas e mitigação de problemas relacionados ao clima a fez merecer estar no ranking. Fonte: Época

Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Politica de Privacidade.

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']