Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Aumento nos combustíveis pode diminuir número de veículos em circulação


Por Assessoria de Imprensa Publicado 04/06/2022 às 16h30 Atualizado 08/11/2022 às 21h09
Ouvir: 00:00

Especialistas dão dicas de economia para quem precisa manter o uso diário de veículos. Veja quais são!

A UDOP – União Nacional da Bioenergia avalia que o aumento nos combustíveis promovido em março pela Petrobras nas refinarias, de 18,8% na gasolina e 24,9% no diesel, provocou um “efeito cascata” nos valores de vários serviços. As tarifas de viagens por aplicativos subiram cerca de 6%; as entregas de encomendas (delivery), até 50%; e as passagens aéreas, entre 32% (internacionais) e 62% (nacionais). Além disso, as empresas de transporte público reivindicam aumentos de cerca de 20%. O impacto do vem sendo sentido pelos condutores em todo o Brasil.

Depois do esvaziamento das ruas durante a pandemia, recentemente a cidade de São Paulo começou a ver o número de carros circulando aumentar. Segundo o portal Mobilidade Sampa, o trânsito na capital já recuperou 73% do fluxo, comparando os meses de março de 2019 e de 2022. Porém, o portal também destaca que com a alta dos preços dos combustíveis é possível perceber a escassez de carros por aplicativos, o que impacta diretamente na circulação.

Uma pesquisa realizada pela Exame/IDEIA, publicada em março, mostrou que 83% dos brasileiros diminuíram o uso do carro por causa do aumento nos combustíveis. Conforme o levantamento, quanto menor a renda, maior o ajuste na maneira de se locomover para driblar a alta. Entre os que ganham até um salário mínimo, 92% diminuíram o uso do carro ou da moto; nos casos com renda superior a cinco salários mínimos este número é de 74%.

Como economizar mesmo com o aumento nos combustíveis

Os brasileiros estão em busca de qualquer solução para economizar e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) dá algumas dicas práticas para a direção e manutenção do veículo que podem melhorar a eficiência no consumo de combustível. A primeira orientação é nunca colocar a quinta marcha numa velocidade menor do que 60Km/h. O instrutor do curso de Mecânica Automotiva na unidade de Campo Grande (MS), Iwan Garcia, orienta que, se for possível, o ideal é escolher um carro 1.0 para andar na cidade. “Carros com motor 1.0 são mais econômicos na cidade, onde não é possível usar velocidades muito altas”, diz.

“É mais difícil manter uma velocidade constante dentro da cidade, porque há semáforos, quebra-molas e ruas preferenciais, mas aqueles que arrancam o carro com tudo para frear logo em seguida, realmente costumam gastar mais gasolina”, explica.

Segundo o especialista, diferente do que a maioria imagina, vidros abertos ou ar condicionado ligado gastam combustível da mesma forma, por isso, o condutor deve optar pelo que achar mais confortável. Além disso, segundo Garcia, é preciso fazer a manutenção regular do carro. “Trocar as velas de ignição a cada 20 mil km, o filtro de ar e o combustível do motor a cada 15 mil km e manter a limpeza dos bicos injetores são boas formas de economizar”.

O último conselho é dar atenção aos pneus. Conforme a Agência de Informações em Energia dos Estados Unidos (Energy.gov), a eficiência dos pneus poderia economizar, aproximadamente, 800 mil barris de petróleo por dia/mundo. A orientação é verificar a pressão dos pneus ao menos uma vez por mês, e manter as rodas alinhadas.

Uma medida que auxilia não só na economia de combustível, mas com a segurança viária, é manter distância do carro à frente. O objetivo, por exemplo, é antecipar as manobras e acompanhar o fluxo do trânsito.

“Isso evita acelerações e freadas desnecessárias, que acabam gastando combustível, e é bem mais seguro para todos. Além disso, não espere para frear no último minuto. Essa ação só te faz perder dinheiro bem como a estabilidade do volante”, completa Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista em trânsito da Perkons.

As informações são da Assessoria de Imprensa da Perkons

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *