Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Comissão vai propor que Executivo edite MP para alterar lei sobre caminhoneiros


Por Mariana Czerwonka Publicado 05/09/2012 às 03h00 Atualizado 09/11/2022 às 00h07
 Tempo de leitura estimado: 00:00

A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural vai pedir à presidente Dilma Rousseff a edição de uma medida provisória para alterar a lei que regulamenta a jornada de trabalho dos caminhoneiros (Lei 12.619/12). A lei, que entrou em vigor em 1º de agosto, estabelece o descanso de 11 horas a cada 24 horas trabalhadas, além da parada de 30 minutos a cada 4 horas dirigidas. Os caminhoneiros dizem ser impossível cumprir a regra e não descartam a paralisação do trânsito nas estradas do País, a exemplo do que já fizeram em julho. É o que diz o presidente do Movimento União Brasil Caminhoneiro, Nélio Botelho, que participou, nesta terça-feira, de seminário da Comissão de Agricultura para discutir a nova legislação. Segundo ele, as negociações com o governo até agora são superficiais e não trouxeram nenhum resultado prático. “Até este momento, o setor está correndo risco de naufragar e, por isso, existe 100% de possibilidade que venha a se mobilizar de novo e paralisar as atividades no País. Todas as esperanças do transporte rodoviário de carga estão agora concentradas nesse trabalho que vem sendo feito pelo deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP)”, ressaltou. Fiscalização Durante a audiência, Marquezelli, que propôs o debate, garantiu aos caminhoneiros que a Comissão de Agricultura vai solicitar providências ao governo. Ele observou que o prazo para o início da fiscalização é 11 de setembro. “Vamos pedir um prazo de, no mínimo, 240 dias sem fiscalização, apenas com orientação, como se está fazendo agora”, informou. Ele informou que a comissão também vai sugerir à presidente da República modificações na cobrança de pedágio no País. “Não pode se cobrar pedágio do reboque que transporta mercadoria. A mercadoria já paga impostos e altíssimos, não é justo que o reboque pague também pedágio”, afirmou o deputado. Além disso, o deputado antecipou que vai propor a alteração da jornada de trabalho. De acordo com Marquezelli, uma parada diária de 6 horas, conforme recomenda a Organização Mundial da Saúde, é suficiente. Ele quer também derrubar a proibição de descanso dentro da própria cabine do caminhão, prevista na lei. Pontos de descanso Outra sugestão citada pelo parlamentar é a adaptação dos postos de combustíveis para garantir os pontos de apoio para descanso. Segundo Marquezelli, o governo pode liberar recursos financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou pelo Banco do Brasil, por exemplo, para que os proprietários façam as obras necessárias. Também serão incluídas na proposta regras como a exigência de exame de sangue para detectar o uso de drogas, pelo menos uma vez ao ano. A medida seria obrigatória não só para caminhoneiros, mas também para todos os demais condutores de veículos no País, incluindo lanchas, jet-skis e aviões. A audiência também foi requerida pelo deputado Moreira Mendes (PSD-RO). Com informações da Agência Câmara

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *