Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

25 de julho de 2024

Psicóloga explica aumento de casos de tragédias causadas por brigas no trânsito

O que tem causado essas tragédias por brigas no trânsito? Por que o trânsito é um ambiente propício para conflitos? Leia a reportagem do Portal do Trânsito.


Por Mariana Czerwonka Publicado 30/05/2023 às 08h15
Ouvir: 00:00
Brigas no trânsito
Algumas características do trânsito propiciam conflitos. Foto: Depositphotos

Apesar de não haver dados oficiais nacionais sobre mortos e feridos em decorrência de tragédias causadas por brigas no trânsito, há uma sensação muito clara de aumento desses casos, principalmente se levarmos em consideração os casos noticiados pela mídia. O que tem causado essas tragédias? Por que o trânsito é um ambiente propício para conflitos? Essa e outras respostas você encontrará na reportagem do Portal do Trânsito.

Um caso bem recente envolveu, inclusive, um instrutor de trânsito no exercício de sua profissão. De acordo com informações do Sindicato dos Proprietários de Centros de Formação de Condutores de Minas Gerais (Siprocfc-MG), Alessandro Gomes de Carvalho foi arrastado e prensado a outro carro, quando tentava impedir que o motorista que bateu no veículo do CFC durante uma aula de direção, fugisse do local sem fazer boletim de ocorrência.

E esse não é um caso isolado. Um levantamento simples do Portal do Trânsito, com base em notícias publicadas na internet, revela que desde o início desse ano já foram noticiados pelo menos 20 casos de tragédias causadas por brigas no trânsito. Os eventos ocorreram em praticamente todo País.

Conforme Eliane Pietsak, pedagoga e especialista em trânsito, algumas características do trânsito propiciam esses conflitos.

“Estão todos no mesmo ambiente com necessidades, habilidades, condições e restrições diversas. O fato deste ambiente ser composto por pessoas com os mais variados objetivos, algumas delas sem paciência ou empatia, pode resultar em brigas, às vezes com desfecho trágico”, analisa.

Reflexão sobre o momento que vivemos

De acordo com Adriane Picchetto Machado, psicóloga especialista em trânsito, é preciso primeiro fazer uma reflexão sobre as questões culturais e sociais do momento que estamos vivendo.

“Não podemos desvincular o que acontece no trânsito com toda a nossa realidade. Nós tivemos uma pandemia que trouxe um sofrimento generalizado para milhares de pessoas. A percepção de vulnerabilidade, de não saber o que vai acontecer amanhã, de não ter ideia de como planejar o futuro, de não saber se iríamos sobreviver, chegou a todos. Tivemos uma tragédia mundial e hoje estamos colhendo no nosso dia a dia os frutos dessa situação”, analisa.

Para a psicóloga, o que parece é que agora estamos vivendo uma epidemia de ansiedade. “No século passado a psicologia trabalhava principalmente as questões de neurose: já em torno dos anos de 2000, a depressão. Atualmente estamos trabalhando bastante a ansiedade e os transtornos de pânico”, pontua.

Além disso, segundo Picchetto, graças a tecnologia temos mais um problema: a aceleração do dia a dia. “Tudo o que nós fazíamos em oito horas de trabalho, hoje somos obrigados e conseguimos fazer em quatro horas. E aí as outras quatro horas nós continuamos trabalhando e temos trabalhado cada vez mais. Imaginávamos que a tecnologia iria nos trazer uma possibilidade de descanso, uma administração melhor do nosso tempo. No entanto, o que nós vemos hoje são pessoas mais estressadas, imediatistas, cansadas, ansiosas e com problemas de pânico frente a situações do dia a dia”, esclarece.

Conforme a especialista muitas vezes os gatilhos para situações de violência passam por situações banais.

“Todos nós temos agressividade, nós precisamos até em alguns momentos ser agressivos, como por exemplo, para tomar decisões na vida. É preciso, porém, direcionar esse potencial agressivo para situações em que a gente consiga controlá-lo”, diz Picchetto.

Ela cita outros fatores que contribuem para a violência no trânsito. “As pessoas perderam a capacidade de pensar, de contar até dez e de refletir antes de agir. Somando-se, ainda, o fato do aumento do armamento, que me preocupa muito. Uma pessoa armada se sente um super-herói, que pode realizar qualquer ação a partir de qualquer ataque, por mínimo que seja. Isso reflete em aumento de violência não só no trânsito, mas em bares e até mesmo dentro de casa”, opina.

Papel da psicologia

Adriane Picchetto destaca que o trânsito é um campo de relação social e nele precisamos perceber que o outro tem direitos e deveres.

“Se eu paro num sinal fechado é porque eu percebo que existe um outro veículo, na outra via, que tem o direito de passar e, por isso, eu tenho que aguardar. Se essa consciência social, ou melhor essa condição de cidadania, não se manifestar no trânsito, nós temos, infelizmente, a selvageria”, alerta.

A especialista destaca, nesses casos, a importância do papel da psicologia. “Nessas análises comportamentais, tanto do trânsito quanto nos outros fenômenos da nossa vida, a psicologia pode contribuir em diversos níveis para resgatar a dimensão humana nas nossas relações, inclusive na relação que nós temos no trânsito assim como com as outras pessoas”, conclui.

Veja a entrevista completa de Adriane Picchetto Machado, especialista em psicologia do trânsito, sobre brigas no trânsito:

Algumas boas práticas de cidadania que podem ajudar muito a evitar conflitos mais graves no trânsito:

  1. Antes de sair, tome a decisão de permanecer tranquilo no trânsito. Com uma breve autoanálise é possível identificar sinais de ansiedade, nervosismo, irritação e preocupação. Estar ciente disso é muito útil para evitar as reações intolerantes e automáticas contra erros ou provocações feitas por outros condutores.
  2. Decida ser gentil no trânsito: experimente ceder passagem; facilite para que o outro veículo possa entrar ou sair do trânsito; dê espaço para que o outro veículo possa mudar de faixa. Enfim: determine-se a ser cordial e educado. Ser intransigente no trânsito é a origem de muitos conflitos.
  3. Errou ao volante? Fechou a frente de alguém? Esqueceu de verificar os retrovisores ou de dar sinal? Peça desculpas imediatamente. Erga a palma da mão sinalizando que reconhece o erro. Isso desarma aquele condutor que ficou irritado ou nervoso com o teu erro.
  4. Não aceite provocações e não revide: você pode estar tratando com alguém violento ou armado. 
  5. Não participe de disputas por espaço no trânsito. Este não é um lugar para mostrar poder nem competitividade.
  6. Bateu o carro e ninguém se feriu? Não é o fim do mundo. Já aconteceu e o melhor é manter a calma – sua e do outro condutor.
  7. Bateu o carro e alguém se feriu? Concentre-se em prestar socorro, tomando todos os cuidados necessários.

Lembre-se: a maior prova de civilidade é dirigir de acordo com as normas de trânsito. Com isso, muitos problemas certamente serão evitados.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *