Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

24 de fevereiro de 2024

Mortalidade no trânsito mobiliza especialistas do mundo todo em Curitiba


Por Assessoria de Imprensa Publicado 28/10/2018 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h10
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Renata Vieira –

Assessoria

Congresso de Medicina de TráfegoFoto: Divulgação.

O 26º Congresso Mundial de Medicina do Tráfego da Associação Internacional de Medicina do Tráfego (ITMA) será realizado em Curitiba, na PUC-PR, do dia 30 de outubro a 1º de novembro. O tema do evento será “Mortalidade no trânsito: como mudar isso?” e o foco é debater soluções para reduzir mortes e lesões no trânsito entre diversas autoridades de 10 países. O Congresso será realizado no Brasil pela segunda vez. Desta vez, contará com a presença do primeiro presidente brasileiro assumindo a entidade internacional.

O Dr. Jack Szymanski assumirá a presidência da ITMA em sucessão ao Prof. Zhengguo Wang, da China. O primeiro brasileiro a presidir a associação internacional é natural de Araucária (PR) e especialista em medicina do tráfego e oftalmologia.

Os temas abordados no Congresso são variados e incluem programas de segurança viária, ferramentas de sucesso, sistemas avançados e o uso de tecnologias de segurança para área do trânsito, auxílio aos deficientes físicos na direção, avaliação cognitiva de futuros condutores, uso de elementos naturais no tratamento de queimaduras e a relação entre o uso de drogas e direção.

Especialistas de mais de 10 países em busca de soluções

O 26º Congresso Mundial de Medicina do Tráfego contará com a presença de especialistas de todo o mundo, que trarão propostas testadas e aprovadas em seus países de origem. A primeira palestra do Congresso é do Dr. Leonard Evans, médico e especialista em trânsito dos Estados Unidos. O país já conseguiu reduzir em 20% os acidentes de trânsito. Para efeito de comparação, os norte-americanos têm uma frota de veículos seis vezes maior do que a brasileira, uma população cerca de 70% maior e uma mortalidade no trânsito de 30 mil pessoas por ano.

Outros países que obtiveram êxito na redução de mortes no trânsito também estarão presentes no Congresso, como a Suécia, com a presença do Dr. Ulf Björnstig, que apresentará o programa Vision Zero, vencedor do prêmio Road Safety Awards. A premissa do programa é que “nenhuma vida perdida no trânsito é aceitável”. Após 20 anos de aplicação, nenhuma criança morre desde 2008 em acidentes envolvendo bicicletas; 88 cidades com mais de 100 mil habitantes não registraram nenhuma morte no trânsito no período de um ano; e outras 16, entre aquelas com mais de 50 mil habitantes, já atingiram a marca de cinco anos sem mortes no trânsito.

A organização do evento está sendo realizada pela equipe do INAQ Avaliação e Gestão de Qualidade, instituição constituída de psicólogos e médicos especialistas de tráfego, que vem de forma efetiva trabalhando junto com as instituições governamentais em busca de mudança de comportamentos como imprudência e desatenção sejam substituídos por educação e responsabilidade no ato de dirigir. Segundo a diretora do INAQ, Maria Elaine Andrade Celeira de Lima, “A necessidade de criar um Programa de Saúde do Trânsito é a chave para a construção do processo de mudança de comportamento e reversão deste cenário desolador”, ressalta.

Mortalidade no trânsito: um problema de saúde pública

No ranking dos países com a maior proporção de mortes, o Brasil aparece em quarto lugar, atrás apenas de China, Índia e Nigéria, com registro próximo de 50 mil mortes anuais. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), aproximadamente 3,4 mil pessoas morrem diariamente no mundo, vítimas de acidentes de trânsito, somando-se a outros milhares de feridos e sequelados. As estatísticas mostram que a média mundial é de 18 mortes por grupo de 100 mil habitantes.

O país registra cerca de 47 mil mortes no trânsito por ano – 400 mil pessoas ficam com algum tipo de sequela. Segundo levantamento do Observatório Nacional de Segurança Viária, o custo dessa epidemia ao país é de R$ 56 bilhões por ano. Com esse dinheiro, seria possível construir 28 mil escolas ou 1.800 hospitais.

Um dos objetivos da Agenda para o Desenvolvimento Sustentável 2020, da ONU (Organização das Nações Unidas), é sobre segurança no trânsito, que prevê reduzir para a metade o número global de mortes e lesões causadas por acidentes de trânsito até 2020. No entanto, de 2009 a 2016, por exemplo, o total de óbitos saltou de 19 para 23,4 por 100 mil habitantes. Nessa toada, o país não cumprirá a meta estabelecida pela ONU de reduzir pela metade a ocorrência de acidentes para daqui a apenas dois anos.

Exame toxicológico previne o uso de drogas

A OMS estima que o consumo de drogas é responsável por 500 mil mortes anuais. Especialistas, como o palestrante Rodolfo Rizzotto, coordenador do SOS Estradas, enfatizam que o número de condutores profissionais usuários de drogas no país é alarmante. Para Rizzotto, é necessário desestimular o uso das drogas pelos motoristas, de modo cada vez mais efetivo, exigindo o exame toxicológico antes da habilitação. Somente nos dois primeiros anos de aplicação do exame mais de 1,2 milhão de motoristas profissionais não renovaram a carteira de habilitação, possivelmente porque eram usuários de drogas.

Ao realizar 26º Congresso Mundial ITMA no Brasil espera-se fomentar estratégias para mudanças culturais e sociais em direção a um trânsito mais seguro; buscar parcerias para a promoção de mudanças efetivas de comportamentos inadequados no trânsito e promover a compreensão da importância da saúde para a diminuição de eventos fatais.

A programação completa do evento encontra-se no site: http://www.itma-congress-2018.com/schedule.html

Sobre o ITMA

A ITMA nasceu em 1960, hoje é composta por profissionais especialistas em trânsito dos mais diversos campos de atuação, com o objetivo de prevenir falhas e reduzir mortes e feridos em acidentes de trânsito. Em quase 60 anos de história, a ITMA tem trabalhado constantemente em diferentes partes do mundo, com a participação da Organização Mundial da Saúde e de outros órgãos da ONU.

As informações são da Assessoria de Imprensa

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *