Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Em 10 anos, nº de carros quase dobra em 12 capitais do Brasil


Por Mariana Czerwonka Publicado 02/10/2012 às 03h00 Atualizado 09/11/2022 às 00h03
Ouvir: 00:00

Estudo realizado pelo Observatório das Metrópoles mostra que, em dez anos, a frota das 12 principais capitais do Brasil praticamente dobrou. A soma dos números registrados nessas cidades chegou a 20 milhões de veículos, o que corresponde a 44% da frota nacional.

O crescimento médio no número de veículos foi de 77%, no entanto, a infraestrutura viária e os órgãos de controle do trânsito não acompanharam este ritmo. Em São Paulo, cidade que mais ganhou carros em números absolutos, as ruas receberam 3,4 milhões entre 2001 e 2011. Os dados são usados pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Segundo o elaborador do estudo, o pesquisador Juciano Martins Rodrigues, foram analisadas informações de 253 municípios. “Usamos os critérios do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para selecionar as capitais de Estado que formavam regiões metropolitanas”, explicou ele.

Detentoras das maiores frotas de carros do País, as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, no levantamento, ficaram nas últimas posições do ranking elaborado pelo estudo – que classifica o crescimento de frota de acordo com o crescimento relativo, ou seja, pelo percentual de aumento do número de carros. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Rio é o lanterna: crescimento de 67%, embora isso signifique acréscimo de 1 milhão de carros no período. Já São Paulo teve crescimento populacional de 7,9% na década, segundo dados da Fundação Seade – e o percentual de aumento de carros foi de 68,2%.

Com o critério percentual, a região metropolitana de Manaus é a campeã. O aumento da frota foi de 141,9%. A cidade ganhou 209 mil veículos (saltou de 147 mil, em 2001, para 357 mil). Para especialistas e autoridades, o crescimento é resultado de três fatores: aumento da renda da população (especialmente da classe C), reduções fiscais do governo federal e facilidades de crédito promovidas pelos bancos.

No entanto, as capitais não estavam preparadas para receber tantos carros a mais. Em São Paulo, por exemplo, em 2001 havia 1,2 mil agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) orientando o trânsito nas ruas. De lá para cá, mesmo com dois concursos públicos para agentes, esse número não chegou a 2 mil. A principal obra viária no período foi a ampliação da marginal Tietê, que trouxe mais três pistas para a via expressa. Nesse período, a velocidade média dos carros no horário de pico, medida pela CET no corredor Eusébio Matoso-Rebouças-Consolação, caiu de 17,9 km/h para 7,6 km/h.

Fonte: Terra Brasil

dpvat

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *