Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

13 de julho de 2024

Estudo europeu mostra que calibragem adequada ajuda na segurança do trânsito


Por Assessoria de Imprensa Publicado 27/03/2021 às 11h12 Atualizado 08/11/2022 às 21h32
Ouvir: 00:00

Os novos testes demonstram que quanto menor a pressão de enchimento dos pneus, menor a estabilidade do veículo.

Paula Batista –

Assessora de Imprensa 

Calibragem pneusCalibrar os pneus semanalmente é fundamental para uma condução mais segura. Foto: Pixabay

A pandemia continua e muita gente que cumpre o isolamento acaba deixando o carro parado, mas isso, sem os devidos cuidados, pode afetar os pneus. Algumas medidas simples, como calibrá-los semanalmente ou movimentá-lo algumas vezes na semana, mesmo na garagem, pode ajudar não só a mantê-los em perfeito funcionamento como também a promover mais segurança nas vias quando for possível retomar a rotina diária.

Dekra Road Safety, entidade europeia especializada em segurança no trânsito, publicou um estudo em 2020 sobre a importância da pressurização adequada dos pneus.

E aí está uma dúvida que aflige muitos condutores e é rodeada de mitos e opiniões das mais diversas.

A primeira delas é que “algumas pessoas conduzem seus veículos com uma pressão de enchimento menor para ter uma aderência supostamente melhor, outros aumentam a pressão em 0,5 bar, para diminuir a resistência ao rolamento e, consequentemente, o consumo de combustível”, esclarece Christian Koch, especialista em pneus da entidade.

Mas os novos testes demonstram que quanto menor for a pressão de enchimento dos pneus, mais curta será a distância de travagem, ou seja, sua aderência ao solo. Assim, uma pressurização mais baixa do que a correta influencia muito também na segurança da condução.

“Os nossos testes de condução com circulação em ziguezague e manobras de desvio, por exemplo, demonstraram que com a pressão de enchimento mais baixa também se reduz significativamente a precisão da direção”.

E vai além: “a sensação de condução torna-se pouco clara. O veículo reage de forma muito pesada aos comandos de direção do condutor. Em situações de velocidades mais elevadas torna-se impossível de controlar o veículo”, explica. “Além disso, o comportamento dos pneus inverte-se em piso molhado: nesses casos, é uma pressão de enchimento elevada que proporciona distâncias mais curtas de travagem”, complementa Koch.

E como saber qual é a pressão adequada para o cada tipo de pneu e veículo?

A resposta é simples: consulte o manual. Em alguns veículos um adesivo está colado na parte interna da porta ou na tampa do combustível. Luiz Antonio Campos Lima, ex-sargento da PMESP e educador de trânsito, recomenda que a calibragem semanal deve começar pelo estepe. Além disso, ele faz outra recomendação. “Nunca calibre os pneus depois de ter percorrido mais de 2 km, isso pode prejudicar a calibragem, aumentando assim o desgaste desnecessário e o risco de acidentes. Se estiver viajando coloque duas libras a mais e depois, com os pneus frios, verifique a calibragem correta. Importante também fazer o rodízio dos pneus, em condições normais de uso, a cada 7.500 km”, orienta.

Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista em trânsito da Perkons, diz que a manutenção preventiva dos veículos deve ser realizada mesmo que o veículo tenha ficado na garagem de casa.

“A manutenção preventiva dos principais itens do veículo, como freio, nível de óleo e amortecedor, deve ser feita a cada 10 mil quilômetros ou a cada seis meses. Esses cuidados ajudam a evitar acidentes. E é essencial que os pneus estejam sempre em boas condições e com a calibragem correta. Nossas atitudes individuais impactam na coletividade, por isso, seguir as normas de segurança é fundamental”, explica.

As informações são da Assessoria de Imprensa

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *