Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de julho de 2024

16 anos de Lei seca: mortes caem, mas cresce impacto na população de 35 a 54 anos

Em 2010, os jovens adultos de 18 a 34 anos lideravam o número de óbitos. Atualmente, a população entre 35 e 54 anos é a mais afetada.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 19/06/2024 às 18h00
Ouvir: 00:00
16 anos lei seca
Hoje, dia 19 de junho de 2024, a Lei seca completa 16 anos. Foto: Monartfoto para Depositphotos

Nesta quarta-feira (19/6), a Lei Seca completa 16 anos e o CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool, referência nacional no tema, antecipa alguns indicadores relacionados aos acidentes de trânsito atribuíveis ao álcool no Brasil*. Os dados completos serão divulgados na sexta edição do anuário “Álcool e a Saúde dos Brasileiros: Panorama 2024”.

“Acompanhamos com entusiasmo a queda progressiva da mortalidade por acidentes de trânsitos causados pelo consumo de álcool, mas muitos brasileiros ainda bebem e dirigem. Alterações cognitivas e motoras ocorrem mesmo que não sejam percebidas pelo condutor, por isso é perigoso qualquer consumo antes de dirigir”, avalia Arthur Guerra, psiquiatra e presidente do CISA.

Entre 2010 e 2022, houve uma diminuição de 22,7% no número de mortes (de 13.911 para 10.747), especialmente entre os homens. Em relação ao ano anterior (2021), observa-se estabilidade nos números.

image-10

No entanto, a faixa etária mais impactada mudou. Em 2010, os jovens adultos de 18 a 34 anos lideravam o número de óbitos. Atualmente, a população entre 35 e 54 anos é a mais afetada.

image-11
image-12

Beber e dirigir

Um outro indicador importante, divulgado no dia que a Lei seca completa 16 anos, é o comportamento de dirigir após o consumo de bebidas alcoólicas, monitorado desde 2011 pelo Vigitel, levantamento do Ministério da Saúde. A edição de 2023 mostra que 5,9% da população relata beber e dirigir. Entre aqueles de 35 a 54 anos, observa-se um aumento na prevalência, de 7% em 2011 para 7,8% em 2023.

Além disso, no mesmo período, seis capitais registraram crescimento na condução de veículos após uso de álcool. São elas: Palmas (TO), Rio de Janeiro (RJ), Boa Vista (RO), Teresina (PI), São Luís (MA) e Campo Grande (MS). Já em 19 capitais e Distrito Federal nota-se queda, com destaque para Natal (RN), Recife (PE) e João Pessoa (PB).

”A implementação da Lei Seca estabeleceu uma importante prática, recomendada para outros países. No entanto, a legislação sozinha não muda comportamentos. São necessárias campanhas educativas, fiscalização (como blitzen) e sanções rigorosas para quem descumprir a lei, especialmente onde os indicadores são preocupantes”, alerta Mariana Thibes, doutora em sociologia e coordenadora do CISA. 

* A análise do CISA tem como metodologia o processamento de dados de mortalidade (Datasus). Sendo aplicadas as Frações Atribuíveis ao Álcool para os acidentes de trânsito (36,7% entre os homens e 23% entre as mulheres), da Organização Mundial da Saúde.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *