Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de fevereiro de 2024

Deputado propõe utilizar recursos de multas para custear CNH para pessoas de baixa renda


Por Mariana Czerwonka Publicado 27/01/2022 às 11h15 Atualizado 08/11/2022 às 21h15
 Tempo de leitura estimado: 00:00

PL altera o CTB para prever uma nova destinação para aplicação de recursos arrecadados com multas de trânsito: financiar a CNH para pessoas de baixa renda.

Destinar recursos arrecadados com multas para custeio do processo de CNH de pessoas de baixa renda esse é o tema do PL 3965/21, que tramita na Câmara dos Deputados.

De autoria do deputado José Guimarães (PT/CE), o projeto altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9.503/1997) para prever uma nova destinação para aplicação de recursos arrecadados com multas de trânsito.

Conforme o PL, além de destinar a receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito, o CTB passaria a prever outro destino. A formação de condutores entraria nesse rol de possibilidades. Apenas, porém, para financiar custos de concessão da Carteira Nacional de Habilitação(CNH) a candidatos de baixa renda. Além disso, que sejam inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

Para Guimarães, a desigualdade no Brasil ainda se manifesta em quase todos os aspectos da vida cotidiana.

“O acesso a direitos, que para uns sequer é questionado, para outros é categoricamente negado pelas circunstâncias que os envolvem. É o caso do direito à licença para dirigir”, pontua.

Emprego x CNH

O deputado diz, ainda, que na prática, a CNH é um privilégio reservado apenas àqueles que têm recursos suficientes. Nesse sentido, é difícil arcar com as taxas impostas pelos Detrans para a emissão do documento. “O crescimento das oportunidades de atuação em entregas ou transporte de passageiros representou, para muitos, a única alternativa para lidar com o desemprego. Em outras palavras, para enfrentar a crise que ainda vivemos. Aqueles que não têm condições de obter o documento, contudo, foram excluídos dessa possibilidade. Ou seja, perpetua sua condição desfavorável e conserva esse perverso ciclo vicioso excludente”, justifica Guimarães.

Tramitação

O PL está apensado a outros projetos que tramitam na Câmara e que aguardam parecer do Plenário.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *